O setor agropecuário das Américas pode fazer uma contribuição essencial à segurança energética global, ameaçada pelo conflito no Leste Europeu

O setor agropecuário das Américas pode fazer uma contribuição essencial à segurança energética global, ameaçada pelo conflito no Leste Europeu

Imagem: Divulgação

São José, 2022 (IICA) — O setor agropecuário das Américas tem um papel fundamental a desempenhar para garantir a segurança energética global, no contexto do conflito bélico deflagrado no Leste Europeu, que se soma a seu tradicional papel como um produtor fundamental de alimentos para o mundo.

Assim é divulgado no documento intitulado “A importância geopolítica do setor agropecuário na segurança energética“, recentemente publicado pelo Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA).

O trabalho destaca que o continente americano produz 71% do total global de biocombustíveis líquidos. Isso assume uma importância estratégica para substituir parte do consumo de petróleo e gás natural no atual cenário internacional, onde a provisão e a segurança energética estão ameaçadas devido ao conflito bélico.

O conflito no Leste Europeu está tendo um impacto econômico negativo não somente no Velho Continente, mas em todo o mundo. Em março, o preço do gás natural liquefeito (GNL) foi multiplicado por 6, enquanto se prevê uma escassez de oferta que agravará a situação, pois a Rússia é a grande abastecedora de gás natural da Europa.

Ao mesmo tempo, a Rússia é um dos maiores produtores de petróleo do mundo (estima-se que fornece 12% da oferta total de óleo cru), de modo que as sanções da comunidade internacional que proíbem a importação do combustível desse país também geram graves consequências.

“Diante dessa situação, o setor agropecuário das Américas pode desempenhar um papel fundamental, uma vez que é um continente agroexportador por excelência, contribuindo para a segurança alimentar global e inclusive a segurança energética. Esses dois objetivos não são contrapostos, uma vez que a diversificação no uso integral e eficiente da biomassa para produzir biocombustíveis pode aumentar a eficiência e a segurança dos sistemas agroalimentares”, destaca o documento, cujo autor é Agustín Torroba, Especialista em Biocombustíveis e Bioenergias do IICA.

Os biocombustíveis já aportam mais de 150 milhões de metros cúbicos à matriz mundial de combustíveis líquidos, 33% na forma de biodiesel e 67% como bioetanol, para misturar ou substituir gasolinas. O continente americano tem um papel preponderante na produção de bioetanol, uma vez que fabrica 88% do total, ao mesmo tempo em que é responsável por 36% do biodiesel.

As matérias-primas para fabricar o bioetanol são principalmente milho e cana-de-açúcar, enquanto o biodiesel é feito com óleos de soja e de palma. As Américas possuem altos saldos exportáveis dessas matérias-primas, com os quais poderiam duplicar a produção mundial de bioetanol e aumentar a de biodiesel em 80%, revela o documento.

“Hoje os biocombustíveis líquidos produzidos nas Américas representam 22% do déficit de petróleo e derivados no continente e os saldos exportáveis de matérias-primas permitiriam, pela industrialização, representar 53% do total. Os elevados preços do petróleo, somados ao diferencial impositivo, especialmente naqueles países que têm impostos ao dióxido de carbono, colocam os biocombustíveis em uma situação vantajosa economicamente, especialmente o bioetanol“, diz o trabalho do IICA.

Assim, o continente tem um enorme potencial para ampliar sua produção de biocombustíveis e contribuir para alcançar o objetivo da segurança energética.

O documento ressalta que a indústria de biocombustíveis começou a transitar por um caminho de maturidade e competitividade que lhe permitiu melhorar sensivelmente seus custos de produção na última década e ser cada vez mais competitivos em comparação com os combustíveis fósseis.

Acrescenta que os compromissos ambientais favorecem a produção e o consumo sustentável dos biocombustíveis. Isso se reflete em mais de 60 países possuírem mandatos para o uso de biodiesel e de bioetanol, ou de ambos. As cargas tributárias também tendem a encarecer os produtos fósseis, especialmente com impostos, cada vez mais disseminados, ao dióxido de carbono, e isso contribui para abrir uma janela de oportunidades que facilite a transição energética e o desenvolvimento ainda maior dos biocombustíveis.

O IICA apoia os países das Américas na divulgação e comunicação da importância do uso sustentável dos biocombustíveis e na construção de sua institucionalidade e políticas públicas que promovam uma transição energética limpa no setor transporte.

Sobre o IICA

É o organismo internacional especializado em agricultura do Sistema Interamericano. Sua missão é estimular, promover e apoiar os esforços de seus 34 Estados-membros para alcançar o desenvolvimento agrícola e o bem-estar rural, por meio da cooperação técnica internacional de excelência.

Site oficial: https://www.iica.int/pt

Crédito:
Imprensa | IICA Brasil

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 2910 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre o Meio ambiente e Tecnologias ambientais, ESG e Sustentabilidade, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais), Cursos e Eventos!