STF decide que a compra de insumos recicláveis gera créditos de PIS e Cofins

STF decide que a compra de insumos recicláveis gera créditos de PIS e Cofins

Imagem: Filipo Tardim | Por Fabricio Soler, Rafael Malheiro e Flavia Ganzella – Felsberg Advogados

O Supremo Tribunal Federal declarou inconstitucionais os artigos 47 e 48 da Lei nº 11.196, de 21 de novembro de 2005, que à época da sua edição ficou conhecida como Lei do Bem, em referência a determinados benefícios fiscais concedidos aos contribuintes.

Para o setor de reciclagem, a Lei do Bem criava uma enorme distorção porque os artigos 47 e 48 combinados induziam a indústria a adquirir insumos e matéria-prima virgem em detrimento da reciclada.

O artigo 47, agora declarado inconstitucional, proibia que a indústria apropriasse créditos da COFINS e da contribuição ao PIS nas compras de desperdícios, resíduos ou aparas de plástico, papel ou cartão, vidro, ferro ou aço, cobre, níquel, alumínio, chumbo, zinco e estanho e nos demais desperdícios e resíduos metálicos do Capítulo 81 da Tabela de Incidência do IPI.

O artigo 48, também declarado inconstitucional pelo Supremo, suspendia a incidência da COFINS e do PIS nas vendas desses mesmos produtos quando efetuadas a PJ optante pelo lucro real, exceto se a venda fosse efetuada por Pessoa Jurídica enquadrada no Simples.

Ainda que a intenção tenha sido desonerar os catadores de papel, na prática, passou a ser tributariamente mais vantajoso adquirir matéria-prima virgem onerada, com a contrapartida da apropriação de créditos, a privilegiar o produto reciclado desonerado sem o crédito, o que levou a indústria a se autorregular em prejuízo do setor de reciclagem.

Segundo o ministro Gilmar Mendes, essa distorção causada pela distinção do tratamento tributário constitui evidência do princípio da isonomia tributária.

O ministro foi seguido pelos demais, com exceção da própria relatora, ministra Rosa Weber, acompanhada pelo decano Marco Aurélio, para quem os dispositivos seriam compatíveis com a Constituição, devendo apenas ser corrigida a exceção criada em relação às vendas realizadas pelas empresas do Simples, e do ministro Dias Toffoli, para quem apenas a proibição do crédito seria inconstitucional.

Para o ministro Alexandre de Moraes, os artigos 47 e 48 da Lei do Bem seriam compatíveis com a Constituição.

Para o setor de reciclagem e de logística reversa em geral é importante referir também à ênfase que o ministro Gilmar Mendes deu aos objetivos desejados pela Constituição na proteção ao meio ambiente, objetivos esses os quais seriam incompatíveis com o resultado da aplicação das normas tributárias destarte declaradas inconstitucionais.

O julgamento (RE 607.109) foi concluído virtualmente no dia 8 de junho de 2021.

Para baixar em PDF – Acordão STF

Sobre a Felsberg Advogados

Felsberg Advogados é um escritório de advocacia full service fundado em 1970. Em um mundo em constante transformação, mesclamos experiência, tradição e excelência a eficiência, agilidade e foco, entregando soluções inovadoras para nossos clientes.

Os valores individuais, conjuntos e complementares, combinados à tradição conquistada ao longo de cinco décadas de serviços, resultam em uma visão ampla e abrangente capaz de atender os requisitos legais atuais e futuros dos nossos clientes – de grandes grupos corporativos às mais novas startups. Isto é o que os faz únicos, diferentes e os mantém preparados.

Site: https://www.felsberg.com.br

Crédito:
Felsberg Advogados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 1401 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal que promove o meio ambiente, através da promoção de tecnologias ambientais e inovações, produtos e serviços de sustentabilidade, nacionais e internacionais.