Sol e Energias #5: “O Mundo precisa das Renováveis”

softelec
Daniel Lima é colunista colaborador do editorial AMBIENTAL MERCANTIL ENERGIAS
Daniel Lima é colunista colaborador do editorial AMBIENTAL MERCANTIL ENERGIAS

Imagem: Divulgação #5 | Daniel Lima é Presidente da ANNESOLAR – Associação Norte e Nordeste de Energia Solar escreve periodicamente sua coluna “Sol e Energias: Daniel Lima discute sobre Políticas Públicas, Eficiência Energética e Geração Distribuída”

Publicidade
Publicidade
CITER 2024 Piauí

Março de 2023 – Interessante observar a composição das fontes limpas e fósseis na Matriz Elétrica Brasileira (MEB), com e sem Fator de Capacidade (FC), que é o principal indicador de performance de centrais geradoras de energia. O FC é a proporção entre a energia gerada e a capacidade instalada de uma central de geração de energia.

Cada fonte de energia possui um Fator de Capacidade Médio (FCM), a fonte solar é próximo a 22%, a fonte eólica é aproximadamente 43%, a fonte hídrica é 50% e a térmica é 46%.

Levando em consideração apenas a potência instalada, a composição da MEB é de 77% de fontes limpas e 23% de fontes fósseis. Se levarmos em consideração a potência instalada e o fator de capacidade médio de cada fonte, a composição da MEB passa a ser de 84,5% de fontes limpas e 15,5% de fontes fósseis.

Segundo relatório divulgado recentemente pelo International Renewable Energy Agency (IRENA), o Brasil ocupa o 1º lugar em participação de fontes limpas e renováveis em sua Matriz Elétrica. Quando é computado em números absolutos, o Brasil passa a ocupar o 3º lugar, ficando atrás da China e dos EUA.

A tendência mundial é que as fontes renováveis continuem no protagonismo dos investimentos em geração de energia.

Em 2022 foram adicionados 295 GW de fontes renováveis, atingindo 40% da capacidade mundial. A fonte solar representou quase dois terços das adições renováveis com um recorde de 192 GW, enquanto 75 GW de energia eólica foi adicionada.

Há, ainda, muito potencial para aumentar a participação das energias renováveis. Para limitar o aumento da temperatura global em 1,5°C dos níveis pré-industriais, o mundo precisa implementar mais 1.000 GW de adições de capacidade renovável até 2050, com a energia solar representando mais da metade desse valor.

Sobre o Colunista

Daniel Lima é economista pela Universidade Federal de Alagoas, Presidente da ANNERSOLAR – Associação Norte e Nordeste de Energia Solar e Diretor Comercial da RDSOL Rede de Negócios em Energia Solar, empresa de fomento e investimento em ativos de energia limpa, criando negócios atrativos e sustentáveis, estabelecendo conexão com diversos atores, para por em prática as soluções mais inteligentes e eficientes em geração de energia.

Perfil no Linkedin | Site oficial: https://rdsol.pro.br

OUTRAS PUBLICAÇÕES DA COLUNA SOL & ENERGIAS

Através da sua observação pessoal, Daniel Lima escreve periodicamente sobre o que acontece nos setores de Energias, Energias Renováveis e Geração Distribuída. Todas as publicações do Daniel Lima podem ser acessadas diretamente no link abaixo:

Informamos que os conteúdos publicados pelos nossos colunistas são observações e opiniões independentes que expressam suas reflexões e experiências, sendo de responsabilidade dos mesmos; não refletindo, necessariamente, a opinião da redação do nosso editorial.

Crédito:
AMBIENTAL MERCANTIL ENERGIAS | Por Daniel Lima, colunista e colaborador

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5110 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!