Agência da ONU alerta para derretimento inédito de glaciares suíços

Foto: Michel Baronian - Degelo excedeu em muito os recordes anteriores do verão quente de 2003.
Foto: Michel Baronian - Degelo excedeu em muito os recordes anteriores do verão quente de 2003.

Imagem: Divulgação

  • Perda de mais de 6% do volume de gelo foi confirmada pela Comissão Criosférica da Academia Suíça de Ciências; Organização Meteorológica Mundial ressalta ano calamitoso para as geleiras alpinas.

Outubro de 2022 – A Organização Meteorológica Mundial, OMM, considera 2022 “um ano catastrófico para glaciares dos Alpes”. A declaração ocorre após a confirmação da perda das geleiras suíças em mais de 6% do seu volume. A redução se deve à falta de neve no inverno e ao calor extremo no verão. 

Nos anos em que a perda da massa de gelo foi de 2%, a situação foi classificada de “extrema”. O derretimento das geleiras é um dos indicadores do Estado do Clima da OMM. 

Estado do Clima 

De acordo com a publicação, divulgada no dia (28) de setembro, as geleiras perderam cerca de 3km cúbicos de gelo somente neste ano. 

Esse total quebra os recordes anteriores de derretimento segundo o relatório da Comissão Criosférica da Academia Suíça de Ciências. O estudo mostra que a escala drástica do recuo glacial só tende a piorar.  

Imagem: Michel Baronian – Situação teve como um dos antecedentes a leve cobertura de neve nos Alpes em um grau.

O degelo excedeu em muito os recordes anteriores do verão quente de 2003. Esta realidade foi particularmente dramática para as pequenas geleiras.  

Por exemplo, os glaciares de Pizol, localizado no Cantão de St. Gallen, de Vadret dal Corvatsch, em Grisões, e  Schwarzbachfirn, em Uri, praticamente desapareceram. A situação levou à interrupção das medições. 

Reservatórios 

De acordo com os analistas, a tendência de derretimento também revela a importância das geleiras para o abastecimento de água e energia em anos quentes e secos. 

Os registros de julho e agosto teriam fornecido água suficiente para encher todos os reservatórios dos Alpes suíços do zero. 

Imagem: Geir Braathen – O maior glaciar dos Alpes Suícos, o Aletschgletscher, está a derreter rapidamente e pode desaparecer até 2100.

A situação teve como antecedentes a leve cobertura de neve nos Alpes em um grau que é raramente observado no passado, principalmente no sul da Suíça.  

Outro fator que levou ao fenômeno foi o grande volume de poeira do Saara entre março e maio.  

A neve contaminada absorveu mais energia solar e fundiu mais rápido. As geleiras já haviam perdido sua camada protetora de neve no início do verão.   

Por fim, o calor contínuo e às vezes extremo, ocorrido entre maio e início de setembro, dizimou o gelo glacial. 

A neve que cobriu os glaciares entre o início de novembro, no inverno de 2021/22, esteve perto da normalidade. No entanto, seu desaparecimento aconteceu um mês antes do normal em todas as altitudes. 

Link da matéria na íntegra.

Crédito:
Reprodução | NEWS UN

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 3167 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre ESG e Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos e Reciclagem, Saneamento, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais). Tudo sobre meio ambiente e tecnologias ambientais, cursos e eventos!