Consumidor tem até o fim de 2022 para garantir isenção de taxa de energia solar. Veja o que muda

Consumidor tem até o fim de 2022 para garantir isenção de taxa de energia solar. Veja o que muda

Imagem: Divulgação/Solar Vale – Consumidor tem até o fim de 2022 para garantir isenção de taxa de energia solar | Quem instalar o sistema até 31 de dezembro será beneficiado por 23 anos. A partir de 2023, o Marco Legal da Geração Distribuída prevê mudanças no sistema de geração. Especialista da Solar Vale explica o que muda e como agilizar projetos de instalação

Setembro de 2022 – Economia de até 95% na conta de luz e, de quebra, geração sustentável de energia para a casa, o comércio e a indústria. Esses são os principais atrativos da energia fotovoltaica, gerada por dispositivos que captam a luz do sol.

Que a energia solar é vantajosa — sendo hoje a terceira maior fonte de matriz elétrica no Brasil, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) — não há dúvidas. Mas o consumidor que quiser garantir a isenção da taxa de geração deve correr: com a sanção do Marco Legal da Geração Distribuída, mudanças estão previstas no segmento.

A primeira delas é justamente a cobrança de taxa mensal referente aos custos de distribuição de energia, por meio do sistema conectado à rede de distribuição de energia.

Thomas Henrique Knock, CEO da Solar Vale, companhia de referência em soluções para energia fotovoltaica com mais de mil usinas instaladas, explica que o prazo de isenção termina em 31 de dezembro.

“Isso significa que, quem tem a intenção de implantar esse sistema deve se organizar para validar o projeto e realizar a implementação até esse prazo. O ideal é contar com apoio especializado já no desenvolvimento do projeto de engenharia, agilizando a validação junto aos órgãos competentes e até mesmo facilitando a tomada de crédito com as instituições de financiamento”, diz.

Thomas Henrique Knock, CEO da Solar Vale
Crédito: Daniel Zimmermann

Consumidores que realizarem a implantação até a data terão isenção até 2045 – serão 23 anos de custos reduzidos que incluem liberação da taxação.

“Hoje a média de economia mensal de uma indústria com energia solar chega a 90% da fatura de luz. Considerando o aumento da conta de luz, que chegou a 114% nos últimos sete anos – mais que o dobro da inflação no período – o payback do investimento acontece em curto prazo”, avalia.

De acordo com Thomas, após o Marco Legal da Geração Distribuída, a economia proporcionada pela energia fotovoltaica segue atrativa. “Mesmo a partir de 2023, haverá uma transição para cobrança da tarifa e ela representa, por exemplo, menos de 30% da conta de luz. As bandeiras tarifárias, amarela e vermelha, não incidem sobre essa taxa, somente sobre o consumo. Portanto, podemos prever que a economia seguirá na casa dos 70%”, calcula.

Investimentos no setor crescem

Entidades do segmento apontam que, desde 2012, foram realizados R$ 86,2 bilhões em novos investimentos no campo da energia solar, gerando mais de 479,8 mil empregos acumulados no país. O sistema evitou, ainda, a emissão de 23,6 milhões de toneladas de CO2 na geração de eletricidade.

Para empresas que desejam implantar a energia solar, as linhas de crédito têm se tornado uma opção viável, visto que o juro pré-fixado, somado à economia de energia, garante o pagamento da estrutura em poucos anos.

“Na prática, especialmente a indústria, paga a parcela de financiamento com a economia na conta de luz. Ao fim do pagamento, além do paypack do investimento, passa a ter economia constante, visto que não está mais sujeito ao aumento gradativo registrado na energia elétrica”, conclui o especialista.

Site oficial: https://www.solarvale.com.br/

Crédito:
Imprensa | Solar Vale

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 2910 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre o Meio ambiente e Tecnologias ambientais, ESG e Sustentabilidade, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais), Cursos e Eventos!