Demanda por energia limpa traz oportunidade para investimentos no Brasil

Demanda por energia limpa traz oportunidade para investimentos no Brasil

Imagem: Divulgação

  • Executivos brasileiros visitam a maior feira química do mundo, em Frankfurt, e enxergam necessidade de investimentos em infraestrutura no país.
  • Hidrogênio verde, biomassa, biogás, CO2 negativo.

Setembro de 2022 – Após participar da feira ACHEMA 2022, em Frankfurt, na Alemanha, industriais brasileiros comprovam que novas fontes de energia limpa atrairão investimentos internacionais ao país e abrirão novos mercados.

“O Brasil tem grande potencial de atração de fontes energéticas verdes, tema que mobiliza a Europa atualmente. Para que isso aconteça e movimente a economia, é preciso investir em infraestrutura e adaptar as novas tecnologias e inovações para as necessidades da nossa realidade”, acredita o CEO da GEMÜ do Brasil, Andreas Göhringer. A feira aconteceu de 22 a 26 de agosto e apresentou inovações mundiais para energia, economia circular e sustentabilidade.

Um dos pontos cruciais para encarar o quebra-cabeça da nova situação geopolítica mundial é a aposta na colaboração tecnológica em linha com as inovações trazidas por startups em parceria com universidades renomadas.

“A indústria brasileira é vista como um player importante, com boa capacidade tecnológica instalada e pronta para produzir ainda mais. Além disso, contamos com um mercado pujante e, também, temos criatividade e flexibilidade, o que nos diferencia e nos dá a velocidade necessária para enfrentar as mudanças”, afirma Göhringer.

Um exemplo disso é o Novo Marco do Saneamento brasileiro, que prevê melhorias consideráveis no oferecimento de água tratada para a população. “Hoje ainda perdemos de 30 a 40% da água tratada devido aos vazamentos provocados por diversos motivos, mas o principal é a qualidade dos equipamentos utilizados. No entanto, já temos no Brasil soluções capazes de solucionar esse problema com qualidade e manutenção fácil”, revela.

Crédito: Divulgação

Segundo Joachim Brien, Diretor da Divisão Industrial do Grupo GEMÜ, esse é um mercado importante. “O Brasil é o maior país da América Latina e a população tem necessidade de água e energia. Por isso, estamos atentos às oportunidades de desenvolvimento, pois temos um portfolio completo de produtos de alta tecnologia para resolver as particularidades dos projetos locais.”

Primeira edição depois da pandemia

Esta foi a primeira edição da ACHEMA depois da pandemia, e ela atraiu visitantes de todos os lugares do mundo. De acordo com Gert Müller, managing director partner do Grupo GEMÜ, um dos expositores do evento, a feira permitiu não apenas conhecer o que há de mais recente em inovação para a indústria, mas também realizar conexões e aprofundar a visão global dos negócios.

“Desde a pandemia, não tínhamos um evento dessa envergadura. As pessoas querem essa troca de contato, de experiência e conhecimento”, avalia.

Entre as novidades da feira estiveram inovações como o conceito de válvulas com automação total, graças ao acionamento elétrico. “A grande novidade é a substituição das válvulas elétrico-pneumáticas pelas de comando totalmente elétrico. É enviado um sinal elétrico para acionar a abertura e fechamento da válvula”, conta o gerente geral da área Farmacêutica, Alimentícia e de Biotecnologia da GEMÜ do Brasil, Hans Paul Mösl.

A solução elétrica ainda possibilita integrar na válvula outros componentes que seriam adicionados à linha, como medidor de temperatura, vazão e condutividade. “No protótipo apresentado aqui, todas as funcionalidades já estão integradas na válvula”, conta.

Hoje, um centro de inovação da GEMÜ na Alemanha desenvolve o projeto piloto do conjunto. “Muita gente acha que o Brasil não tem mercado para essas novas tecnologias, mas as empresas hoje já sabem como a economia de energia, ganho de produtividade e redução de riscos de contaminação são cruciais para a sua competitividade no mercado”, finaliza Mösl.

Crédito: Divulgação

Para Clayton Ribeiro Sobrinho, gerente de projetos do Instituto Butantan de São Paulo, a feira mostrou novas alternativas para processos de biotecnologia. “Nossa meta é salvar vidas. Para isso, é preciso conhecer as soluções em equipamentos e processos que garantam o menor risco de contaminação, sem corrosão ou vazamentos e, também, de fácil limpeza. Isso é o que viemos buscar na feira”, conta.

A nova linha de semicondutores em teflon da GEMÜ demonstra segurança e precisão para o ambiente 100% esterilizado, o que possibilita atingir o risco zero de contaminação, essencial para as áreas médica e farmacêutica. A nova linha será comercializada no mercado brasileiro em breve.

Sobre a GEMÜ

A filial da multinacional alemã criada por Fritz Müller na década de 1960 disponibiliza ao mercado brasileiro válvulas de extrema eficiência e qualidade. A planta situada em São José dos Pinhais (PR), que conta com 100 colaboradores e soma mais de 40 anos no Brasil, produz válvulas e acessórios para o tratamento de água e efluentes em indústrias de todas as áreas, como siderurgia, mineração e fertilizantes, bem como para integrar sistemas de geração de energia. Na área de PFB (farmacêutica, alimentícia e biotecnologia), a GEMÜ é líder mundial e vende para toda a América Latina produtos de alta precisão, com atendimento local, além de consultoria com profissionais capazes de orientar na escolha da melhor solução em válvulas para cada aplicação.

Mais informações: https://www.gemu-group.com/pt_BR/

Crédito:
Imprensa | GEMÜ

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 2910 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre o Meio ambiente e Tecnologias ambientais, ESG e Sustentabilidade, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais), Cursos e Eventos!