Comissão do Ministério do Meio-ambiente e Conasq discutem sobre substâncias perigosas

softelec
Foto: Gilberto Soares/MMA

Objetivo é criar legislação que garanta gerenciamento e uso adequados de forma a evitar riscos à saúde humana e ao meio ambiente

Brasília (25/06/2018) – Coordenada pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), a Comissão Nacional de Segurança Química (Conasq) reuniu-se nesta segunda-feira, em Brasília, para discutir o anteprojeto de lei que visa regular o gerenciamento de substâncias químicas no país, principalmente as perigosas que podem pôr em risco a saúde humana e o meio ambiente.

Acesse fotos da reunião

O objetivo é criar uma legislação que regulamente as atividades de avaliação e controle dos riscos dessas substâncias químicas, com a definição de competências e arranjos institucionais, formulação de políticas e programas nacionais para o gerenciamento adequado.

Atualmente, o Brasil possui uma série de instrumentos regulatórios para disciplinar aplicações e usos específicos de algumas substâncias químicas, como mercúrio metálico, agrotóxicos, saneantes, aditivos alimentares, cosméticos e outros, mas não dispõe de uma legislação ampla que abranja todo o setor, principalmente as substâncias perigosas.

Publicidade
Publicidade
AMBIENTAL MERCANTIL

“A lei vem, exatamente, para preencher essa lacuna. Apesar de existir alguns regulamentos específicos, várias substâncias, particularmente as utilizadas em processos industriais, não têm o uso normatizado”, explicou a coordenadora-geral de Qualidade Ambiental e Gestão de Resíduos do MMA, Letícia Carvalho.

O anteprojeto de lei, que já passou por consulta pública e recebeu várias contribuições da sociedade, prevê a criação do Cadastro Nacional de Substâncias Químicas, que deverá ser implementado e mantido pelo Ministério do Meio Ambiente com o objetivo de formar o Inventário Nacional de Substâncias Químicas.

O inventário trará dados sobre as substâncias produzidas e importadas pelo Brasil, com identificação do fabricante ou importador, quantidade produzida ou importada por ano e usos recomendados e classificação de perigo para o meio ambiente e saúde humana, conforme o Sistema Globalmente Harmonizado de Classificação e Rotulagem de Produtos Químicos (GHS) e a norma brasileira vigente.

O anteprojeto prevê ainda a criação de dois comitês – um técnico e outro deliberativo – que terão, respectivamente, a função de fazer a análise técnica dos riscos, especialmente das substâncias perigosas, e decidir a forma mais adequada de gestão.

Durante o período de consulta pública, que ocorreu em 2016, o anteprojeto de lei recebeu 801 sugestões enviadas por 236 participantes (formulários preenchidos). Desde então a Conasq está avaliando as contribuições para melhorar o texto. Com a de hoje, já são 10 reuniões extraordinárias.

Além dos gestores do MMA, participaram do encontro, que ocorreu na sede do MMA, na 505 Sul, em Brasília, representantes dos vários ministérios envolvidos com o tema, universidades, organizações da sociedade civil e do setor privado, em especial da indústria química.

Na próxima reunião, que deverá ocorrer logo nos primeiros meses do segundo semestre, a Comissão deverá aprovar o texto final do anteprojeto a ser encaminhado para análise da Casa Civil e, posteriormente, para aprovação no Congresso Nacional.

Crédito:
Elmano Augusto/ Ascom MMA
ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5240 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!