Relatório inédito aponta 263.765 focos de incêndio em Unidades de Conservação e Territórios Indígenas na Amazônia Legal na última década

softelec
O projeto PRODES realiza o monitoramento por satélites do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal.
O projeto PRODES realiza o monitoramento por satélites do desmatamento por corte raso na Amazônia Legal.

Imagem: Divulgação | Só em 2021 foram 20.955 focos de incêndio, conforme estudo que aponta desmatamento e avanço da agricultura como principais causas

  • Com boletins trimestrais, a consultoria socioambiental Synergia passa a monitorar a região.
  • Apa Triunfo do Xingu é a Unidade de Conservação mais afetada das 10 áreas reportadas no relatório.
PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

Ambiental Mercantil recebe prêmio de sustentabilidade ambiental 2023 pela renomada Build Magazine da Inglaterra

Março, 2021 – As Unidades de Conservação e as Terras Indígenas situadas na chamada Amazônia Legal correm risco de incêndio, considerando-se o alto índice de focos de incêndio detectados nos últimos anos. Somente em 2021, 20.955 focos de calor foram identificados na região conforme aponta o recém-lançado relatório da consultoria socioambiental Synergia. Presente na Amazônia há mais de 10 anos, a consultoria passa a reportar os dados de focos de incêndio na região com boletins trimestrais.

De acordo com Marcos Vinicius Quizadas de Lima, coordenador de geoprocessamento na Synergia e responsável pela análise, foram selecionadas 10 áreas protegidas (sendo 5 Unidades de Conservação e 5 Terras Indígenas) que possuem uma quantidade maior de focos de calor identificados nos últimos 3 anos.

“Ao se elaborar a cartografia dessas áreas, vê-se que todas estão localizadas na porção centro-sul, na área que coincide principalmente com regiões que têm forte avanço da fronteira agrícola, áreas de cerrado e regiões com conflitos fundiários”, explica.

O relatório mostra que o terceiro trimestre é sempre o período com maior índice de focos de incêndio em todas as áreas monitoradas, daí a importância de medidas preventivas serem pensadas agora.

Crédito: Divulgação

“É no terceiro trimestre que ocorre a redução do volume de chuva. Na maior parte das áreas protegidas analisadas, por se tratar de áreas compostas por floresta úmidas e regiões alagadas, onde historicamente o fogo não se inicia de maneira espontânea, concluímos que os focos surgem por uma interação entre clima e atividades humanas. Normalmente essas interações acontecem como método para limpeza de terrenos, para renovação da vegetação e início de temporada de plantio, mas não devem ser essas as causas de incêndio no recorte específico desse estudo, já que essas áreas protegidas abrigam grande biodiversidade, riquíssima cultura e importantes contextos sociais. O desmatamento que as coloca em risco de incêndio pode ter outras origens, como o garimpo ilegal, a criação de bovinocultura extensiva e a extração de madeira “, destaca Lima.

Queimadas na Amazônia impactam clima do país

Ainda de acordo com Lima, os reflexos desse descaso e falta de fiscalização em áreas protegidas da Amazônia Legal, tão importantes na regulação climática do planeta, podem explicar alguns fenômenos atuais, como: a falta de chuva nas regiões centro-oeste e sudeste, que vem prejudicando a produção de alimentos e atingindo grandes centros comerciais; a chuva de cor escura que tomou conta da cidade de São Paulo em 2021; o aumento da emissão de gases contribuintes do efeito estufa; a elevação da temperatura média de muitas cidades do interior; a redução da capacidade das florestas na transformação do dióxido de carbono já existente na atmosfera; entre outros.

Região mais afetada

A área protegida que mais apresentou focos de calor na soma dos 3 últimos anos foi a APA Triunfo do Xingu, que fica entre os municípios de Altamira e São Félix do Xingu, no Pará, com 8.503 focos e destaque para os identificados em 2021 (1.797). A região é também, de longe, a área protegida que mais apresentou desmatamento nos últimos 3 anos no cenário nacional. Segundo o PRODES, com mais de 1.400 km² de desmatamento entre 2019 e 2021 (equivalente à área do município de São Paulo) essa UC registrou 531 km² de desmatamento só no último ano.

“O que pode ser visto nesta Unidade de Conservação é que o avanço dos focos está intrinsicamente ligado com a ação de desmatamento. Nos últimos anos, essa UC tem sido palco de atividades ligadas ao garimpo ilegal, pecuária extensiva e desflorestamento”, explica Lima.

O estudo completo traz informações mais detalhadas das 5 UCs e 5 TIs, expondo a fragilidade de cada uma, dentro de uma região que é vital para o equilíbrio climático de todo o planeta. A próxima edição do estudo trará o panorama do primeiro trimestre de 2022, provendo informações relevantes para a sociedade, iniciativa privada e esferas públicas.

Crédito: Divulgação

Sobre a Synergia

Fundada em 2005 por Maria Albuquerque, a Synergia é uma consultoria socioambiental que atende os setores público e privado, oferecendo soluções em gestão e prevenção de crises, desenvolvimento social, relações territoriais e gestão de conhecimento. Atua em todo o território nacional, atendendo às demandas dos segmentos de mineração, siderurgia, indústria petroquímica, gestão pública, agronegócio, agroindústria, saneamento, energia e gestão hídrica.

A consultoria possui o certificado internacional de qualidade ISO:9001, conquistado em 2013, graças à sua capacidade de planejamento, elaboração e execução de programas sociais, urbanos e ambientais. Já atuou em mais de 127 projetos no Brasil e em Moçambique, envolvendo mais de 1.2 milhão de pessoas. É associada ao Instituto Ethos e membra na modalidade participante do Pacto Global das Nações Unidas.

Site oficial: https://www.synergiaconsultoria.com.br/

Crédito:
Imprensa | Synergia

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 4820 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!