OPINIÃO DE ESPECIALISTA: Como convencer os consumidores a optarem pela energia solar?

softelec
Foto: Carol Reis, Tarcísio Neves - CEO da Evolua Energia
Foto: Carol Reis, Tarcísio Neves - CEO da Evolua Energia

Imagem: Divulgação | Por Tarcísio Neves, CEO da Evolua Energia para seção Opinião de Especialista AMBIENTAL MERCANTIL

Publicidade
Publicidade
Equipamentos - STADLER GmbH

Março de 2023 – A energia solar é amplamente reconhecida por ser uma fonte limpa e renovável, fator que faz com que a sustentabilidade seja um dos benefícios mais lembrados quando o tema é abordado. No entanto, a relevância desse tipo de matriz vai muito além desse aspecto. Isso porque a popularização da origem fotovoltaica pode garantir, por exemplo, um avanço significativo ao setor de energia, assim como um enorme impacto econômico para o país.

De acordo com um levantamento recente publicado pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), a energia solar hoje representa 11,6% de toda matriz energética nacional. Ainda segundo a entidade, a tendência é de que essa parcela aumente consideravelmente nos próximos anos, mesmo com o fim do subsídio referente ao pagamento pelo uso do sistema de distribuição de energia elétrica estipulado pela Lei 14.300, de 2022. 

Isso porque, além do Brasil contar com o clima ideal, novas linhas de financiamento, somados aos incentivos governamentais e a preocupação crescente com a sustentabilidade, irão impulsionar o crescimento de novas instalações. A visão é corroborada pela empresa TrendForce, no qual aponta que o Brasil pode conectar 14,2 GW de capacidade de geração solar em 2023.

Esse volume representaria um crescimento de 26,2% em relação às novas instalações realizadas em 2022.

Com isso, as usinas fotovoltaicas em operação no Brasil sairiam de 24 GW ao final de 2022 – dos quais 7,1 GW em geração centralizada e 16,998 GW em geração distribuída – para 38,2 GW até o fim do ano.

Passos para a popularização

Mesmo diante de todos esses prognósticos positivos, o setor de energia solar ainda carece de certas estratégias para acelerar a popularização junto aos consumidores. A maior parcela da população não sabe, por exemplo, que a matriz energética apresenta diversas possibilidades de adesão, como a instalação de placas nos imóveis ou até mesmo pelo consumo remoto, também conhecido como geração distribuída.

Nessa modalidade, não há necessidade de investimento por parte do responsável do imóvel, que passará a consumir uma energia limpa e ainda mais barata. Tais características a tornam uma das alternativas mais poderosas para a democratização da energia fotovoltaica no país. 

É preciso ressaltar ainda o papel fundamental que as empresas da área devem ter junto a população, principalmente na função de estimular a adoção de um consumo mais consciente e sustentável. Para isso, as corporações devem investir mais em ações diretas, como a realização de campanhas de conscientização ou oferecer opções de produtos sustentáveis em seu catálogo.

Além disso, vale destacar a importância das movimentações internas por parte das companhias do setor, prezando principalmente pela transparência na sua cadeia de produção e informando a população sobre como trabalham para minimizar os impactos ambientais.

Um exemplo prático de como isso pode ser desenvolvido é a implementação do conceito ESG, sigla para Environmental, Social and Governance (traduzido para o português como ambiental, social e governança), que está relacionada ao gerenciamento e às tomadas de decisão atreladas a preocupações socioambientais e éticas. Tais critérios têm direcionado as instituições a pensarem e atuarem em favor da sustentabilidade, da responsabilidade social, com respeito aos direitos humanos e às leis trabalhistas, tornando, assim, a atuação mais transparente e responsável com a sociedade.

É fato que o mercado nacional de energia solar vem se desenvolvendo de forma exponencial graças aos altos investimentos, que somente na última década ultrapassaram a marca de R$ 125 bilhões, segundo dados da ABSOLAR. A consequência desse alto capital alocado é o desenvolvimento acelerado de um setor que rende emprego, mais inovação e maior disponibilidade de energia limpa para o país.

O próximo passo agora é as empresas transmitirem de uma maneira assertiva todos os benefícios que a matriz fotovoltaica pode trazer para a população e o Brasil. De fato, estamos nos preparando para isso.

Sobre o autor

Tarcísio Neves, CEO da Evolua Energia

Tarcísio Neves é CEO da Evolua Energia, uma das principais empresas líderes em transformação energética no Brasil, especializada em gestão distribuída compartilhada.

A Evolua Energia foi fundada em 2020. Com atuação em geração distribuída compartilhada, ganharam notoriedade por ajudar a transformar a matriz energética do país a partir de uma energia limpa.

Informamos que os conteúdos publicados para seção Opinião de Especialistas AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS são independentes e de responsabilidade dos autores, não refletindo, necessariamente, na opinião da redação do nosso canal.

Imprensa

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5039 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!