Blockchain pode combater fraudes em projetos de preservação ambiental; entenda como

softelec
Crédito: Reprodução internet

Imagem: Divulgação | 91% dos brasileiros perceberam mudanças climáticas nos últimos anos; saiba como a tecnologia pode atuar para reduzir esse impacto e incentivar a preservação ambiental

Publicidade
Publicidade
CITER 2024 Piauí

Abril de 2024 A preocupação com as mudanças climáticas vem crescendo cada vez mais ao redor de todo o mundo. Segundo estudo da CNI, 91% dos brasileiros perceberam mudanças climáticas nos últimos anos. Na corrida para a minimizar os impactos ambientais, o mundo está buscando soluções inovadoras para mitigar os desastres ambientais na natureza. Nesse cenário, o blockchain, tecnologia que permite a rastreabilidade de dados, surge como ferramenta promissora para combater as fraudes climáticas em projetos de preservação ambiental.

Para Phelipe Spildeman, CEO e fundador da Bluebell Index, climatech especializada no desenvolvimento de ativos ambientais, o blockchain é capaz de fortalecer a confiança das negociações climáticas, uma vez que a tecnologia pode melhorar a transparência e credibilidade do mercado, e, dessa forma, direcionar cada vez mais recursos para os desenvolvedores de projetos.

O mundo tem uma meta global de reduzir as emissões de carbono em zero até 2050, segundo acordo realizado na COP21, Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, em 2015.

O tema também foi discutido por grandes eventos globais, nos últimos meses, que alertaram para as “mudanças climáticas” como o principal assunto de discussões, como a COP28, maior evento global de negociação sobre mudanças climáticas. Outro grande conferência que chamou atenção para o debate foi o Fórum Econômico Mundial, em Davos, que teve a agenda voltada para a resolução da crise climática.

Mas como exatamente o blockchain pode contribuir para combater as mudanças climáticas?

O blockchain é uma tecnologia que permite registrar e compartilhar dados de forma segura e transparente. Essa facilidade pode ser usada para melhorar a rastreabilidade de emissões de gases de efeito estufa e incentivar a preservação ambiental.

Por exemplo, o blockchain pode ser usado para que as transações de créditos de carbono ou ativos ambientais – que envolvem água, solo e carbono – sejam registradas de forma transparente, garantindo que todo o processo de certificação e histórico do projeto de preservação da natureza, sejam efetivamente reduzidas com autenticidade e rastreabilidade.

“A rastreabilidade do blockchain aumenta a confiança dos projetos de preservação da natureza, já que os dados não podem ser facilmente manipulados ou alterados, resolvendo uma das principais dores do mercado de carbono que é o risco reputacional, pela falta de comprovação e registros. Somado a isso, o blockchain agiliza o processo de verificação, reduzindo os os custos ligados ao monitoramento e auditoria das atividades de preservação ambiental”, comenta Phelipe Spildeman, CEO e fundador da Bluebell Index.

Historicamente, o setor de créditos de carbono, prática conhecida como uma uma forma das empresas e indústrias mitigar as mudanças climáticas, sofreu por denúncias de falta de credibilidade, seja pela pela double counting – quando um projeto de compensação de carbono é vendido duas vezes -, falsificação dos projetos ou ainda creditado com mais reduções de emissões do que realmente gera.

O uso de blockchain resolve todos esses problemas, já que quando o projeto é efetivado, o histórico fica sempre disponível, de forma inalterável, em sites de maneira pública e de fácil acesso.

Phelipe Spielmann explica que transações em blockchain não permitem que haja outro registro da mesma transação. Além disso, com a tecnologia os dados são auditados em tempo real, garantindo a confiabilidade dos projetos de preservação ambiental para redução das crises climáticas.

“Durante muito tempo, a natureza transformou a economia e tecnologia ao longo dos últimos 100 anos. Agora, é hora de invertermos essa lógica e de a economia e a tecnologia retribuírem à natureza através da forma como remuneramos seus recursos”, finaliza Spielmann.

Sobre Bluebell Index

A Bluebell Index é uma fintech climática que une empresas e indústrias a proprietários rurais para atuar na mitigação de mudanças climáticas. A startup valoriza, certifica e monetiza ativos ambientais por meio de tokens baseados em blockchain gerados por metodologias internacionais pautadas na ciência e algoritmos proprietários. Os tokens da Bluebell incluem carbono, água, solo e biodiversidade e entregam integridade dos dados e rastreabilidade aos compradores.

Site oficial: https://bluebellindex.com/br/

Imprensa

O que é Blockchain? Blockchain é como um registro digital compartilhado e seguro, onde transações (financeiras ou não) ficam armazenadas de forma inviolável. Imagine blocos ligados criptografados, formando uma corrente (chain) segura e transparente. Essa tecnologia tem potencial para além de criptomoedas, podendo ser usada para rastrear produtos, eleições seguras, identidade digital e muito mais. Acesse detalhes no Wikipedia.

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5111 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!