Reciclagem de plásticos pretos: rumo a uma economia circular

Imagem: Vários recipientes de plásticos pretos e limpos para embalar e entregar alimentos. FDA | Plásticos de Embalagens de Alimentos
Imagem: Vários recipientes de plásticos pretos e limpos para embalar e entregar alimentos. FDA | Plásticos de Embalagens de Alimentos

Imagem: Divulgação | Com uma missão sustentável, uma visão abrangente e valores fortes, a STADLER se estabeleceu como um dos principais fornecedores mundiais de sistemas de separação de resíduos

  • Os plásticos pretos têm sido notoriamente difíceis de detectar, mas os recentes desenvolvimentos tecnológicos tornaram possível classificá-los não apenas por cor, mas também por polímero, liberando valor econômico para as empresas de reciclagem. Este é um divisor de águas no setor de embalagens plásticas em rápida evolução, e a Plantas de Triagem — STADLER do Brasil Ltda – está experimentando um aumento na demanda por sistemas capazes de recuperar todos os plásticos pretos do fluxo de resíduos. Por meio de uma colaboração efetiva entre todos os participantes da cadeia de valor do setor, é possível uma economia circular benéfica financeira e ambientalmente.

Alemanha | Setembro de 2022As embalagens plásticas têm funções importantes na vida moderna, e passamos a confiar muito nelas. É um produto excepcional que, no entanto, tem um problema significativo de fim de vida. Isso é especialmente verdadeiro para o plástico preto, que até muito recentemente não podia ser detectado com a tecnologia disponível, o infravermelho próximo (NIR).

Foto: Enrico Siewert, Diretor de Desenvolvimento de Produto e Mercado da STADLER

“O emissor ilumina o material e o sensor faz uma leitura da radiação que é refletida. No entanto, o material preto absorve a luz, então o sinal não retorna e o sensor não obtém uma leitura. Isso significa que o plástico preto é indetectável com a tecnologia amplamente implantada na infraestrutura de reciclagem”, diz Enrico Siewert, Diretor de Desenvolvimento de Produto e Mercado da STADLER.

Por que a recuperação de plásticos pretos é importante

O plástico preto compõe uma parte significativa do lixo doméstico que, se não for recuperado, será incinerado ou enviado para aterro. Isso tem implicações não apenas ambientais, mas também financeiras, como explica Enrico Siewert:

“Se as empresas de reciclagem não puderem recuperar plásticos pretos, elas podem perder até 15% do valor de seu material de entrada. Quando eles conseguem extrair esse material do fluxo de resíduos, eles podem criar valor econômico e impactar positivamente seus resultados.”

Imagem: Resíduos de plásticos rígidos e mistos
Imagem: Polímeros PE e PP moídos e separados

“Outra consideração importante é que cada vez mais embalagens são feitas de plástico preto, à medida que mais conteúdo reciclado é usado. Ao reciclar embalagens pós-consumo, se não forem rigorosamente classificadas por cor, o resultado é uma resina cinza. Isso não pode ser levado de volta ao branco, então muitos conversores adicionam pigmentação preta para obter uma cor muito uniforme e mais atraente. Nós, como sociedade, queremos mais conteúdo reciclado, veremos cada vez mais material preto no fluxo de resíduos. Consequentemente, as embalagens continuarão a tender para uma cor mais escura.”

Um desenvolvimento tecnológico revolucionário

Diferentes indústrias envolvidas na cadeia de valor dos plásticos vêm pesquisando soluções para a questão dos plásticos pretos, e hoje existem diferentes formas de recuperação desses materiais.

Uma primeira solução é um sistema de classificação a seco baseado em sensores, que usa sensores NIR com aditivos pretos detectáveis para detectar os diferentes tipos de polímeros. Existem também outros tipos de sensores capazes de classificar materiais pretos, também por polímero. Com este sistema de classificação a seco baseado em sensor, é possível classificar com precisão polietileno preto, polipropileno, PET e poliestireno.

Outra solução é um sistema de classificação por densidade úmida baseado no princípio de flotação. Os mais leves de polietileno e polipropileno flutuam, enquanto os mais pesados PET, PVC e poliestireno tendem a afundar. A desvantagem deste sistema é que, além de ser caro devido ao processo de filtração, necessidade de água, limpeza, etc., não é capaz de classificar por polímero, de modo que um processo circular é impossível.

Imagem: Plásticos pretos, a partir de mistura de cor PE e PP, sendo preparados para recuperação.

“No entanto, o maior avanço foi na tecnologia de sensores. A situação evoluiu a ponto de hoje conseguirmos separar o preto não só por cor, mas também por polímero. Isso é muito importante porque se o classificador ejetar todos os materiais pretos juntos, pode haver até 15 polímeros diferentes na mistura, que não podem ser facilmente remanufaturados”, afirma Enrico Siewert.

“Este é um desenvolvimento muito recente: 5-6 anos para detecção de cor preta e para classificação de polímeros. Este é um verdadeiro divisor de águas porque cria valor econômico e possibilita a reciclagem desses materiais que, de outra forma, iriam para aterros ou incineração.”

Novas oportunidades para contribuir para uma economia circular

A capacidade de detectar plástico preto significa que haverá mais deles na cadeia de reciclagem.

“Temos de criar uma demanda por esses materiais pretos pós-consumo. Obviamente, existem limitações: eles não podem ser usados ​​para produzir produtos brancos e nem sempre podem fazer embalagens para alimentos. Temos de colaborar em toda a cadeia de valor do setor para encontrar outras maneiras de usar plásticos pretos. Não será necessariamente para produtos voltados para o consumidor, mas eles podem ser usados ​​para fabricar itens como paletes, baldes, dormentes, etc. Trata-se de classificar o plástico de forma eficaz e fornecê-lo como matéria-prima para o setor de reciclagem avançada.”

As empresas de reciclagem química são um excelente exemplo de operações que poderiam fazer bom uso desses materiais:

“Eles procuram o polietileno e não se importam se tem preto porque o decompõem em gás e o convertem em óleo, que é transformado em plástico virgem – fechando o ciclo de uma economia circular”.

Também é importante estender essa colaboração intersetorial aos designers e produtores de embalagens.

“Precisamos de uma conversa entre fabricantes e recicladores onde eles abordem juntos considerações como: o consumidor realmente precisa ou quer embalagens pretas? Se o material não pode ser recuperado, o que mais importa para o consumidor? Eles querem uma solução de ciclo fechado para o pacote que compram ou se preocupam mais com a aparência? Essa abordagem ajudará a resolver o problema do plástico preto e obter uma melhor recuperação do fluxo de resíduos”.

Processamento de plásticos pretos: uma demanda que deve continuar crescendo

Os mais recentes desenvolvimentos tecnológicos e a pressão do consumidor por mais conteúdo reciclado nas embalagens devem impulsionar o crescimento contínuo da demanda por plantas de triagem capazes de recuperar todos os plásticos pretos do fluxo de resíduos.

Imagem: Resíduos plásticos de embalagens flexíveis de cor mista e preta

A STADLER experimentou um aumento acentuado no interesse por essas soluções e está no centro dessa evolução na indústria:

“Agora temos vários parceiros que desenvolveram tecnologia para detectar plásticos pretos, por isso temos a capacidade de projetar sistemas para recuperar esses materiais que são adaptados às necessidades operacionais e ao investimento de capital de nossos clientes individuais. Concluímos vários projetos para algumas das fábricas de reciclagem de embalagens leves mais avançadas da Europa e estamos trabalhando para desenvolver muitos outros”, diz Enrico Siewert.

“A demanda é extremamente forte por essa tecnologia e vejo essa tendência continuar no futuro. Mais plástico preto está indo para o fluxo de resíduos e a tecnologia para classificar esses materiais está alcançando rapidamente”, conclui Enrico Siewert.


VISITE A STADLER NA WASTE EXPO BRASIL

AS INSCRIÇÕES JÁ ESTÃO ABERTAS

A STADLER estará presente na WASTE EXPO BRAZIL 2022 em São Paulo como expositora nos dias 08-10 de novembro no maior evento de gestão de resíduos sólidos, reciclagem e saneamento do Brasil. Informações aqui.


Sobre a STADLER

STADLER® dedica-se ao planejamento, produção e montagem de sistemas e componentes de triagem para a indústria de tratamento e reciclagem de resíduos sólidos em todo o mundo.

Sua equipe de mais de 450 funcionários qualificados oferece um serviço completo personalizado, do projeto conceitual ao planejamento, produção, modernização, otimização, montagem, comissionamento, reformas, desmontagem, manutenção e assistência técnica de componentes para completar os sistemas de reciclagem e classificação.

Sua linha de produtos inclui separadores balísticos, correias transportadoras, peneiras giratórias e removedores de rótulos.

A empresa também é capaz de fornecer estruturas de aço e painéis elétricos para as plantas que instala. Fundada em 1791, a operação e estratégia desta empresa familiar são sustentadas por seu espírito de oferecer qualidade, confiabilidade e satisfação ao cliente, sendo um bom empregador e fornecendo forte apoio social.

Para mais informações, visite http://w-stadler.de/pt

Sabia que a STADLER já está presente no Brasil?
Do planejamento à instalação, do treinamento à garantia e assistência técnica pós-venda… Quer conhecer mais sobre as soluções e tecnologias da STADLER? Leia também outras publicações, clique AQUI.

Crédito:
Imprensa | Stadler

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 2929 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre o Meio ambiente e Tecnologias ambientais, ESG e Sustentabilidade, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais), Cursos e Eventos!