Agricultor substitui Cloreto de Potássio importado por fertilizante sustentável brasileiro

softelec
Lucas Stracci é o responsável técnico na Fazenda Ana Terra, em São Desidério, na Bahia.
Lucas Stracci é o responsável técnico na Fazenda Ana Terra, em São Desidério, na Bahia.

Imagem: Divulgação | Após a explosão da guerra entre Rússia e Ucrânia, Lucas Stracci incluiu o Baks® no manejo, fertilizante personalizado produzido em Minas Gerais pela Verde Agritech

PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

Ambiental Mercantil recebe prêmio de sustentabilidade ambiental 2023 pela renomada Build Magazine da Inglaterra

Janeiro de 2024 – A guerra entre Rússia e Ucrânia fez os custos dos fertilizantes dispararem no mercado internacional e assustou agricultores brasileiros, altamente dependentes do Cloreto de Potássio (KCL) produzido na Rússia, Bielorrúsia e Canadá. Esse cenário fez o agricultor Lucas Stracci buscar alternativas nacionais e altamente tecnológicas para o manejo da Fazenda Ana Terra, em São Desidério, na Bahia.

“Não queríamos mais tanta dependência pelo KCL importado, e vi que havia no Brasil um produto superior que oferecia ganhos para a lavoura e não impactava negativamente o solo”, conta Stracci.

O agricultor cultiva soja e milho, além de pecuária, em 3,5 mil hectares. Ao escolher o fertilizante produzido em Minas Gerais, pela empresa de tecnologia agrícola Verde Agritech, Stracci afirma ter conseguido uma redução de 12% nos custos de produção.

“Os produtos tecnológicos são aliados da agricultura nos dias atuais, e poder contar com um fertilizante multinutriente, incluindo o enxofre elementar, como o BAKS®, fez toda a diferença”, afirma Stracci, que comanda o grupo que tem quase 40 anos de experiência agropecuária.

Desenvolvido a partir de tecnologias proprietárias, o fertilizante BAKS® pode ser personalizado de acordo com a necessidade de cada lavoura. Ele pode combinar nutrientes como potássio, nitrogênio, fósforo, enxofre elementar, boro, cobre, zinco e manganês. Os fertilizantes da Verde Agritech já contribuíram para a produção de alimentos em mais de 1,4 milhão de hectares, sendo recomendado para mais de 30 culturas diferentes.

“Além da qualidade do produto, um diferencial foi a entrega em Big Bag, facilitando o armazenamento na fazenda. Como o volume é grande, à granel não ficaria interessante porque teria que deixar no campo”, destaca Lucas.

Para facilitar a logística de entrega do fertilizante produzido em Minas Gerais, a Verde Agritech conseguiu autorização da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) para construir um ramal ferroviário. O projeto prevê interligar as fábricas da empresa, em São Gotardo e Matutina, até a cidade de Ibiá, no Triângulo Mineiro. Por meio da Ferrovia Centro Atlântica (FCA), será possível transportar o fertilizante para as principais regiões agrícolas do país, reduzindo a pegada de carbono da empresa e dos agricultores.

Captura de carbono

Um estudo recente, realizado por um dos mais importantes especialistas em solos da Europa comprovou que cada tonelada do fertilizante K Forte®, fonte de potássio para o Baks, pode capturar até 120 quilos de CO2 da atmosfera, gás causador do efeito estufa. Os créditos gerados por esta captura já estão sendo negociados pela Verde Agritech.

“Além de revolucionar o manejo do solo, com ganhos de qualidade biológica que levam a melhor produtividade, nosso fertilizante também torna a operação mais sustentável, com captura de carbono”, reforça Cristiano Veloso, fundador e CEO da Verde Agritech.

Microrganismos

A Verde Agritech também produz atualmente o K Forte® e Mondé. O K Forte® foi o primeiro fertilizante aditivado com microrganismos no mundo, tendo recebido, com autorização do Ministério da Agricultura, o ‘Bacillus aryabhattai’, microrganismo que os agricultores já conhecem por seus benefícios à lavoura. Este avanço foi possível por causa da tecnologia Bio Revolution, desenvolvida a partir de pesquisas feitas pela Verde Agritech em parceria com universidades federais de Minas Gerais (UFMG), Mato Grosso (MT) e de São Carlos (Ufscar).

Já o Mondé conta com 25% de silício, com granulometria ultrafina. Também através de tecnologias exclusivas ele permite a aplicação mais uniforme, garantindo a disponibilidade do nutriente para todas as plantas.

Site oficial: https://verde.ag/

Imprensa

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 4812 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!