CEPETRO e Âmbar Energia unem forças para ampliar produção de eletricidade a partir do hidrogênio renovável

softelec
A união tem como meta a produção de biometano, hidrogênio renovável e eletricidade, abrindo caminho para uma matriz energética mais limpa e confiável.
A união tem como meta a produção de biometano, hidrogênio renovável e eletricidade, abrindo caminho para uma matriz energética mais limpa e confiável.

Imagem: Divulgação | O objetivo é gerar energia através do hidrogênio renovável obtido a partir do biogás.

Publicidade
Publicidade
Equipamentos - STADLER GmbH

Março de 2024 – O Centro de Estudos de Energia e Petróleo (CEPETRO), vinculado à Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), e a Âmbar Energia estão embarcando em uma colaboração estratégica para impulsionar a produção eficiente de eletricidade a partir da biomassa para gerar energia utilizando hidrogênio renovável derivado do biogás.

A parceria visa escalar a produção de energia de forma sustentável, utilizando os resíduos orgânicos provenientes da JBS como matéria-prima. Este projeto de pesquisa e desenvolvimento (P&D), com duração prevista de três anos, tem como meta a produção de biometano, hidrogênio renovável e eletricidade, abrindo caminho para uma matriz energética mais limpa e confiável.

Marcelo Zanatta, presidente da Âmbar Energia, destaca a sinergia entre as empresas do grupo J&F, como a JBS, para viabilizar a entrada do agronegócio neste mercado promissor.

“O plano inclui a construção de um centro de pesquisa e desenvolvimento em Andradina para explorar o potencial do biogás e do hidrogênio renovável na geração de energia, transformando planos em ações concretas”, destaca.

O projeto do CEPETRO com a Âmbar utiliza o hidrogênio renovável para a produção de eletricidade por meio de células a combustível que oferecem uma eficiência de conversão superior às tecnologias tradicionais. Ao final dos três anos, a equipe da Âmbar e do CEPETRO esperam escalar a tecnologia para todo o mercado, visando o grande potencial de geração de hidrogênio renovável nas lagoas de tratamento de diversas indústrias. A energia gerada será injetada na rede de distribuição, fortalecendo a matriz energética brasileira com fontes mais confiáveis e renováveis.

Para gerar a energia são necessárias três etapas: a primeira trata do transporte e purificação do biogás produzido nas lagoas de tratamento dos frigoríficos da JBS. A segunda etapa envolve a reformulação do metano presente no biogás para obter hidrogênio renovável. Por último, na terceira etapa, o hidrogênio é empregado em uma célula a combustível, que produz energia elétrica com eficiência superior a 60%.

Energia derivada de hidrogênio renovável

O processo se inicia em uma lagoa de tratamento de resíduos, onde toda a matéria orgânica é depositada. Esta lagoa foi convertida em um biodigestor, melhorando o tratamento do efluente e permitindo o armazenamento dos gases resultantes do processo. O biogás gerado é composto principalmente por metano, além de outros gases como dióxido de carbono, enxofre e oxigênio.

Hudson Zanin, professor da Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação da Unicamp e pesquisador do CEPETRO, explica que, se o biogás in natura for diretamente utilizado em um motor, ocorre a corrosão das partes internas caras, tornando-as inutilizáveis. Por isso, o primeiro passo do projeto é purificar esse biogás através de filtros, removendo impurezas que não são metano.

“Enquanto as termoelétricas que utilizam metano fóssil do pré-sal conseguem uma eficiência de conversão de 30% do gás em eletricidade, no nosso caso, quebramos o metano em hidrogênio renovável e depois o utilizamos em células a combustível para atingir uma eficiência muito mais elevada”, afirma o pesquisador.

Segundo Zanin, o hidrogênio de origem fóssil é conhecido como hidrogênio cinza e é utilizado, principalmente, na produção de amônia, fertilizantes, aço e alumínio, e na dessulfuração de combustíveis fósseis em refinarias.

“Com a emersão do hidrogênio renovável, ele terá espaço para ir além da descarbonização da cadeia do hidrogênio cinza, podendo ser utilizado para a produção de eletricidade também”, afirma.

Sobre a CEPETRO

O Centro de Estudos de Energia e Petróleo (CEPETRO) é um centro de pesquisa da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com mais de 35 anos de história, focado em petróleo, gás, energias renováveis e transição energética. Instalado, atualmente, em cinco prédios com mais de 5 mil metros quadrados de área, possui dez laboratórios próprios e conta com mais de 350 pesquisadores. Além de executar projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), o CEPETRO presta serviços técnicos e de consultoria, forma recursos humanos altamente qualificados e promove a disseminação do conhecimento. Seus projetos de P&D são financiados por empresas, fundações e agências governamentais de fomento à pesquisa. O CEPETRO é um dos maiores captadores de recursos via cláusula de PD&I da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Sobre a Âmbar Energia

A Âmbar Energia é o braço de energia do grupo J&F. A empresa desenvolve, implanta e explora projetos de geração, transmissão, comercialização e gestão de energia e de um conjunto de gasodutos, com o objetivo de contribuir com os novos desafios de expansão e diversificação da matriz energética brasileira.

Site oficial: https://ambarenergia.com.br

Imprensa

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5026 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!