Sustentabilidade na agricultura brasileira deve contemplar a capacitação do produtor rural

softelec
Foto: Gustavo Vasques, Gustavo Vasques, ICL América do Sul e Membro do Conselho da ABISOLO
Foto: Gustavo Vasques, Gustavo Vasques, ICL América do Sul e Membro do Conselho da ABISOLO

Imagem: Divulgação | Por Gustavo Vasquez, CEO at ICL América do Sul e membro do Conselho da ABISOLO

PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

PRÊMIO INTERNACIONAL 2023

Ambiental Mercantil recebe prêmio de sustentabilidade ambiental 2023 pela renomada Build Magazine da Inglaterra

Fevereiro de 2024 – No agronegócio, a evolução tecnológica acompanha os desafios de cada conjuntura. A produtividade, ponto de atenção constante no campo, cada vez mais compartilha espaço com a sustentabilidade. Só quem conhece a cadeia do campo até a mesa do consumidor entende o protagonismo do produtor rural para assegurar a qualidade dos alimentos.

Quem está no campo precisa de preparo para entender o potencial das novas soluções para a produtividade e para o meio ambiente. Afinal, o valor nutritivo do que é consumido depende do manejo realizado no início da cadeia.

Por isso, a adoção de tecnologias avançadas como os fertilizantes especiais, condicionadores de solo e substratos para plantas demanda a capacitação por parte dos agricultores para que as plantas possam atingir o máximo potencial genético.

Ao compartilhar conhecimentos com um público estratégico como os agricultores, a indústria e os órgãos setoriais como a Associação Brasileira das Indústrias de Tecnologia em Nutrição Vegetal (ABISOLO) estão unidos para auxiliar na compreensão acerca dos benefícios dessas inovações e de como elas devem ser aplicadas. Muito mais que uma questão técnica, trata-se de uma colaboração na difusão de informações para apoiar o agricultor no enfrentamento de desafios relacionados ao solo, clima e à cultura.

Cabe pontuar a necessidade de uma abordagem prática durante os programas de capacitação. Em vez de apenas fornecer informações teóricas, os agricultores devem participar de demonstrações práticas no campo, workshops interativos e outras experiências hands-on. Isso os ajuda na compreensão dos conceitos teóricos e na aplicação de novos processos, tecnologias e práticas sustentáveis. Uma abordagem como essa é essencial para que os agricultores desenvolvam uma compreensão mais profunda e a confiança na aplicação efetiva das inovações em suas operações diárias.

Tal colaboração precisa ter um horizonte de longo prazo, de forma continuada. Não se trata de ação pontual. Incentivar a educação continuada significa promover programas e oportunidades de aprendizado, permitindo que os agricultores se mantenham atualizados em relação às últimas tecnologias e às melhores práticas sustentáveis. A ênfase é fomentar um ambiente de aprendizado constante para os agricultores, proporcionando-lhes as ferramentas necessárias para acompanhar o compasso dos desafios ambientais.

A indústria representada pela ABISOLO contribui para o enfrentamento de outro desafio: a dependência da importação de insumos à base de Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K), conhecidos como NPK. Atualmente, o Brasil importa 85% desses insumos.

Durante uma palestra no I Fórum de Fertilizantes de Matriz Orgânica, promovido pela ABISOLO, o assessor do Ministério da Agricultura, José Carlos Polidoro, explicou que fertilizantes organominerais podem responder por 25% da demanda nacional de insumos NPK, os co-produtos e os resíduos com potencial agrícola respondem por 25% do fósforo, os agrominerais e os remineralizadores por 10% de potássio e os bioinsumos por 10% de nitrogênio e 10% do fósforo, além de fornecerem a tecnologia para aumentar a eficiência dessas soluções.

O crescimento desse segmento tem sido documentado pelo Anuário da Abisolo.

Em 2022, o mercado de fertilizantes especiais teve mais um período de crescimento, encerrando o ano com um crescimento médio de 33,2%, quando faturamento chegou a R$ 22,193 bilhões.  Além de crescer, a cada ano essa indústria desenvolve novos produtos, produz novas pesquisas, gera empregos e apoia a agricultura nacional, que se destaca no cenário mundial de produção de alimentos e consequentemente pelo impacto no meio ambiente.

A disseminação dessa tecnologia passa pela capacitação de quem está no campo e deve ser vista como um investimento no futuro da agricultura brasileira. A nutrição de plantas é uma ciência complexa e demandante de conhecimentos. Esse aspecto emerge como um elemento-chave para que novas soluções sejam disseminadas no mesmo compasso em que as demandas da sociedade pautam mais a agricultura. A busca constante por eficiência e sustentabilidade coloca o Brasil como exemplo para outros países agrícolas, mesmo que ainda haja pontos de melhoria.

Sobre o autor

Gustavo Vasquez tem 31 anos de experiência em organizações multinacionais nos setores químico e agropecuário. Com 20 anos atuando como Presidente/Diretor Geral, ele possui vasta experiência em liderança e gestão financeira. Participou ativamente em fusões e aquisições, além de ter sido membro de conselhos de empresas e associações comerciais. Sua expertise inclui também reestruturação de negócios, aquisições e desenvolvimento de novos empreendimentos. Atualmente é CEO at ICL América do Sul e membro do Conselho da ABISOLO. Linkedin.

Site oficial: https://www.abisolo.com.br

Imprensa

Informamos que os conteúdos publicados para seção Opinião de Especialistas AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS são independentes e de responsabilidade dos autores, não refletindo, necessariamente, na opinião do editorial do nosso canal.

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 4813 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!