OPINIÃO DE ESPECIALISTA: Conservação do solo é grande aliada na adaptação às mudanças climáticas

softelec
Foto: ©Fundação Grupo Boticário
Foto: ©Fundação Grupo Boticário

Imagem: Divulgação | O engenheiro florestal André Ferretti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, explica como o solo bem conservado contribui para a segurança alimentar, segurança hídrica e proteção costeira

Publicidade
Publicidade
CITER 2024 Piauí

Maio de 2024 – Fundamental para garantir água, alimentos e condições necessárias para a biodiversidade, o solo bem conservado também é aliado na proteção do planeta contra o aquecimento global. O cenário é preocupante, já que 33% dos solos do mundo estão degradados por erosão, salinização, compactação, acidificação e contaminação, de acordo com estudo coordenado pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO).

Já em 2016, quando o diagnóstico global assinado por cerca de 200 especialistas de 60 países foi publicado, a FAO alertava que se ações concretas não fossem tomadas por indivíduos, instituições e tomadores de decisão, a tendência seria de piora das condições.

O engenheiro florestal André Ferretti, gerente de Economia da Biodiversidade da Fundação Grupo Boticário e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza (RECN), ressalta que a terra exposta, quando atingida diretamente por raios de sol, perde parte da matéria orgânica e emite gases que vão parar na atmosfera. O especialista explica que a conservação do solo deve ser pensada em conjunto com a redução do desmatamento e das queimadas, além da restauração de ecossistemas, como florestas, manguezais e restingas, incluindo ainda o equilíbrio entre a produção de alimentos e a conservação da natureza.

“A conservação do solo é essencial para a adaptação às mudanças climáticas. Quanto mais preservado ele está, mais equilibrado ficam os ecossistemas. A superfície em boas condições mantém a vegetação, a fauna e o equilíbrio tanto do ecossistema natural quanto do antropizado (modificado pelo ser humano). Se o solo está bem protegido, a vegetação natural que ocorre ali continua fazendo suas funções, permitindo que as diferentes formas de vida se desenvolvam naquele lugar”, explica Ferretti.

Nos ciclos da agricultura, o solo bem conservado necessita de menos adubação, menos irrigação e menos intervenções em geral.

“Por outro lado, a superfície desprotegida necessita de mais agroquímicos, muitos deles geram emissões de gases de efeito estufa, que são uma das principais fontes de emissão na agropecuária”, afirma o especialista.

No Brasil, as alterações no uso do solo, causadas especialmente por queimadas e desmatamento, são a principal causa das emissões de gases que provocam o aquecimento do planeta.

O empobrecimento do solo pode ocorrer pela aplicação inadequada de diferentes práticas agrícolas. “Irrigação e manejo do solo precisam ser feitos de maneira correta. A adubação não pode ser excessiva, não deve haver uso abusivo de máquinas que compactam o solo. Os animais também devem ser manejados de acordo com a capacidade de suporte do solo”, afirma Ferretti.

A degradação do solo também coloca em risco a disponibilidade de água para a população.

“Com a perda de vegetação, a terra está perdendo a capacidade de infiltração e de armazenamento de água. Com o desmatamento e a produção cada vez mais intensiva no campo, a terra fica mais compactada e exposta à chuva e ao sol. Sem a cobertura vegetal que funciona como proteção natural, a água infiltra muito menos e escorre muito mais, causando erosão e provocando perda de nutrientes. Além disso, quando a água não consegue infiltrar no solo, também ocorrem as enchentes e inundações”, explica.

O especialista explica ainda que a conservação do solo deve ser priorizada para proteger a região costeira. “Nas áreas próximas ao litoral, a perda do solo pela erosão costeira é a questão mais preocupante. Sem os ecossistemas que protegem a costa, pode ocorrer a perda de terrenos e o mar começa a invadir e danificar a infraestrutura dos municípios litorâneos. Preservar os manguezais, as áreas de restinga e os recifes de corais são ações estratégicas para defender a costa. O solo bem conservado, com o auxílio dos ecossistemas naturais, é a melhor forma de proteção das comunidades que vivem próximas do mar contra ressacas, tempestades, furacões e outros fenômenos extremos que devem se intensificar com as mudanças climáticas”, afirma.

Soluções Baseadas na Natureza

Diante do desafio de conservar melhor os solos e recuperar parte dos terrenos degradados, Ferretti ressalta que é necessário aprender com a própria natureza. “É possível usar técnicas que simplesmente restauram a vegetação nativa para promover a ciclagem dos nutrientes e recuperar a fertilidade do solo. As raízes das árvores puxam nutrientes de áreas mais profundas que depois são depositados na superfície por meio das folhas, dos galhos e dos frutos que vão caindo”, frisa o gerente da Fundação Grupo Boticário.

Além de restaurar áreas degradadas, outra possibilidade de melhorar a conservação do solo é a promoção de atividades agrícolas e pecuárias associadas com árvores, que são os sistemas agroflorestais ou sistemas silvipastoris.

“É a combinação de faixas de árvores com áreas de pasto ou de agricultura, mesclando também culturas agrícolas de menor e maior porte. É perfeitamente possível inserir árvores dentro do sistema produtivo de alimentos e agroenergia”, argumenta.

Sobre a Rede de Especialistas

A Rede de Especialistas em Conservação da Natureza reúne cerca de 80 profissionais de todas as regiões do Brasil e alguns do exterior que trazem ao trabalho que desenvolvem a importância da conservação da natureza e da proteção da biodiversidade. São juristas, urbanistas, biólogos, engenheiros, ambientalistas, cientistas, professores universitários – de referência nacional e internacional – que se voluntariaram para serem porta-vozes da natureza, dando entrevistas, trazendo novas perspectivas, gerando conteúdo e enriquecendo informações de reportagens das mais diversas editorias. Criada em 2014, a Rede é uma iniciativa da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza.

Sobre a Fundação Grupo Boticário

Com mais de 30 anos de história, a Fundação Grupo Boticário é uma das principais fundações empresariais do Brasil que atuam para proteger a natureza brasileira. A instituição atua para que a conservação da biodiversidade seja priorizada nos negócios e em políticas públicas e apoia ações que aproximem diferentes atores e mecanismos em busca de soluções para os principais desafios ambientais, sociais e econômicos. Já apoiou cerca de 1.600 iniciativas em todos os biomas no país. Protege duas áreas de Mata Atlântica e Cerrado – os biomas mais ameaçados do Brasil –, somando 11 mil hectares, o equivalente a 70 Parques do Ibirapuera. Com mais de 1,2 milhão de seguidores nas redes sociais, busca também aproximar a natureza do cotidiano das pessoas.

A Fundação é fruto da inspiração de Miguel Krigsner, fundador de O Boticário e atual presidente do Conselho de Administração do Grupo Boticário. A instituição foi criada em 1990, dois anos antes da Rio-92 ou Cúpula da Terra, evento que foi um marco para a conservação ambiental mundial.

Site oficial:  www.fundacaogrupoboticario.org.br

Imprensa

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5111 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!