Ministra do Meio Ambiente do Reino Unido visita projetos de agricultura sustentável no Pará

softelec

Imagem: Divulgação | Thérèse Coffey foi à comunidade quilombola de São Manoel, na cidade de Moju, acompanhada da Embaixadora Britânica no Brasil, Stephanie Al-Qaq

Publicidade
Publicidade
Equipamentos - STADLER GmbH

Janeiro de 2023 – A Ministra do Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais do Reino Unido, Thérèse Coffey, conheceu, em 3 de janeiro, projetos de agricultura sustentável na comunidade quilombola de São Manoel. A visita ocorre depois do anúncio do início da segunda fase do Programa Rural Sustentável (PRS) na Amazônia, financiado pelo governo britânico.

A comunidade de São Manoel fica em um dos municípios que serão beneficiados pelo Programa, a cidade de Moju, na região nordeste do Pará, que deve lançar, nas próximas semanas, um edital para seleção dos projetos que receberão os recursos.

A Ministra Britânica veio ao Pará acompanhada pela Embaixadora Britânica no Brasil, Stephanie Al-Qaq. Durante a visita, a delegação pôde conhecer a técnica de sistemas agroflorestais para a produção de alimentos típicos da região, como castanha-do-pará, açaí, pimenta-do-reino, cupuaçu e cacau. Coffey ouviu os moradores a respeito dos desafios das cadeias de produtos da sociobiodiversidade da Amazônia.

Foi possível ver, na prática, o vínculo entre ação climática (apoio à agricultura de baixo carbono), redução da pobreza e promoção do desenvolvimento.

“Antes de vir para cá, conheci o governador do Pará. Foi um sinal de que o Reino Unido está disposto a colaborar com este estado, e com o Brasil como um todo, para pôr em prática o conceito de bioeconomia. Hoje foi um dia muito especial. Eu vi boas técnicas para produzir com baixas emissões de carbono. É um conhecimento passado por gerações, usando fertilizantes e outros produtos retirados da própria natureza. As comunidades locais são guardiãs da Amazônia e cumprem um papel fundamental para o planeta”, afirmou a Ministra do Reino Unido.

O Programa Rural Sustentável é resultado de uma parceria de vários atores:

  • Os recursos vêm do governo britânico, através do Financiamento Climático Internacional;
  • Estes recursos são administrados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID);
  • O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) alinha os objetivos do financiamento às políticas públicas definidas pelo governo federal;
  • No caso específico do Pará, a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (SEMAS) participa da estratégia de implementação do Programa e dá apoio logístico às ações e
  • O IABS (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento e Sustentabilidade) cuida da implementação, execução e acompanhamento das iniciativas.

O Reino Unido é o terceiro maior parceiro do Brasil em clima e natureza. Mais de 250 milhões de libras do Financiamento Internacional para o Clima foram destinados ao Brasil.

Antes da visita à comunidade de São Manoel, a Ministra Britânica participou da cerimônia de posse do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no último domingo (1° de janeiro).

No dia seguinte, além do governador Helder Barbalho, ela se encontrou com os ministros da Agricultura, Carlos Fávaro, do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva, e dos Povos Indígenas, Sônia Guajajara. No dia anterior, ela havia se encontrado com a Ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco.

“Eu fiquei muito grata por me reunir com representantes do governo brasileiro logo no primeiro dia. Já tínhamos estabelecido uma relação com o Brasil, mas é evidente que as ambições e a agenda deste novo governo Lula estão colocando o meio ambiente e a agricultura sustentável numa posição central, para aliar combate à mudança climática e geração de prosperidade. Vejo muitas possibilidades de avançar a nossa parceria no campo da bioeconomia“, avaliou a Ministra Thérèse Coffey.

Sobre o Programa Rural Sustentável (PRS) no Pará

Esta é a segunda fase do PRS no Estado do Pará, com ênfase especial no apoio a soluções baseadas na natureza para reduzir o desmatamento, visando a aprimorar modelos sustentáveis de uso da floresta em pé, baseados principalmente no extrativismo, na recuperação e intensificação de terras degradadas que foram desmatadas no passado e no desenvolvimento de fontes alternativas de renda para substituir a receita do desmatamento, com participação relevante de comunidades locais.

O PRS faz parte de um projeto de 7,42 milhões de libras, dentro dos 62,3 mihões que vão beneficiar os estados do Pará, Rondônia e Amazonas. O Programa tem um foco particular no fortalecimento de cadeias de valor sustentáveis na região, como café, castanha, peixe , açaí e cacau.

Sobre a comunidade São Manoel – Município de Moju (PA)

O território Jambuaçu se localiza a 15 km da sede municipal de Moju, sendo perpassado pelo igarapé de mesmo nome e habitado por grupos negros rurais, que em sua maioria têm como meio de vida a agricultura, o extrativismo animal e vegetal.

A Comunidade pertence a um território quilombola chamado Jambuaçú, onde existem 15 associações, que possuem 230 hectares de SAFs (Sistemas Agroflorestais biodiversos), tendo como principais culturas açaí, cacau, cupuaçu, pimenta-do-reino e espécies florestais. A agroindústria tem como principal produto beneficiado o açaí. Trabalham na atividade mais de 40 funcionários da própria comunidade.

A comunidade iniciou a transição de trato com o solo e sua forma de plantio e cultivo há aproximadamente sete anos. Inicialmente, fizeram um estágio de aprendizado na propriedade do Sr. Michinori, uma cooperativa do município de Tomé-Açu, onde receberam orientação e apoio para o início e desenvolvimento das atividades.

Receberam mudas e sementes para começar a transição de trato com as culturas na comunidade, e com o acompanhamento do Sr. Michinori, receberam orientações sobre como preparar as áreas de roça sem fogo, fazer o coveamento e plantio com espaçamento correto, fazer o raleamento da capoeira após o plantio e realizar o empilhando ao redor das plantas, garantindo a umidificação do solo ao redor delas.

Foram também instruídos sobre a adubação das plantas, podas de formação, colheita, vendas, administração de recursos, entre outras tarefas.

Atualmente, a comunidade não utiliza fogo, a produtividade cresceu e se tornou diversificada, aumentando de forma significativa a renda dos produtores locais e diminuindo a emissão de carbono.

Site oficial: https://www.gov.uk/world/organisations/british-embassy-brazil.pt

Imprensa | Embaixada do Reino Unido no Brasil

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5032 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!