Renda de pessoas com saneamento é quase um salário mínimo maior do que aquelas que não têm acesso

softelec
Imagem: Trata Brasil
Imagem: Trata Brasil

Imagem: Divulgação | Segundo dados do IBGE (2022), a diferença da renda do trabalhador com acesso ao básico para aquele que vive sem é de R$ 1.255,53

Publicidade
Publicidade
CITER 2024 Piauí

Maio de 2024 – Problema histórico vivido no país, a ausência do saneamento atinge milhões de brasileiros e impacta nas mais diversas esferas de suas atividades cotidianas. O cenário nacional mostra que mais de 32 milhões de pessoas não têm acesso à água potável e cerca de 90 milhões vivem sem coleta de esgoto, enquanto apenas 52,2% do esgoto gerado é tratado.

Desta forma, a exposição ambiental ao esgoto e a falta de água tratada provocam doenças que abalam a saúde dos habitantes. Segundo informações do DATASUS (2022), que aparecem no Painel Saneamento Brasil , houve cerca de 191 mil internações por doenças de veiculação hídrica.

Na vida dos trabalhadores, a recorrência de doenças associadas à falta de saneamento tem implicações diretas na saúde e, consequentemente, resulta em um desempenho produtivo pior em sua atividade econômica, o que acaba afetando a carreira profissional e o potencial de renda que eles poderiam alcançar no mercado de trabalho.

De acordo com dados do IBGE, presentes no Painel Saneamento Brasil, a renda média das pessoas com saneamento é de R$ 3.359,12, enquanto aqueles que não tem acesso ao básico é de R$ 2.103,59 uma diferença de R$ 1.255,53, valor próximo ao salário mínimo de R$ 1.412,00, definido pelo Governo Federal em 2024.

Sendo assim, para além das implicações imediatas sobre a saúde e a qualidade de vida da população, a falta dos serviços básicos impactam o mercado de trabalho e as atividades econômicas que dependem de boas condições ambientais para o pleno exercício. Do ponto de vista do mercado de trabalho, a falta de saneamento interfere na produtividade do trabalho, uma vez que, ao aumentar a incidência de enfermidades, a precariedade do saneamento provoca o afastamento das pessoas de suas funções laborais, acarretando custos para a sociedade com horas não trabalhadas.

As reduções de doenças de veiculação hídrica têm efeitos sobre a economia que vão além da redução de despesas na área da saúde e dos desperdícios com os dias não trabalhados. A melhoria da saúde eleva de forma sistemática a produtividade dos trabalhadores, potencializando as atividades econômicas no país.

Site oficial: https://tratabrasil.org.br

Imprensa

Se interessa por Saneamento? Então acompanhe as publicações períodicas no nosso colunista, o Eng. Álvaro Costa

Álvaro Costa é engenheiro civil e consultor. Escreve como Colunista do editorial AMBIENTAL MERCANTIL ÁGUAS E SANEAMENTO
Álvaro Costa é engenheiro civil e consultor. Escreve como Colunista do editorial AMBIENTAL MERCANTIL ÁGUAS E SANEAMENTO

Temas Relacionados

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5113 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!