Amapá publica edital de concessão de saneamento elaborado pelo BNDES

softelec
Amapá publica edital de concessão de saneamento elaborado pelo BNDES

Amapá publica edital de concessão de saneamento elaborado pelo BNDES

  • Só 7 a cada 100 amapaenses têm coleta de esgoto e um a cada três tem água tratada
  • Novo concessionário investirá R$ 3 bilhões durante 35 anos
  • Investimento de R$ 984 milhões nos cinco primeiros anos supera em mais de dez vezes média atual
  • Leilão deve ocorrer em 2 de setembro, combinando menor tarifa e maior valor de outorga
Publicidade
Publicidade
Equipamentos - STADLER GmbH

O Estado do Amapá publicou no dia (28/05), o edital do leilão da concessão plena de serviços de água e esgoto para áreas urbanas em todos os 16 municípios do Amapá, atualmente prestados pela Companhia de Água e Esgoto do Amapá (Caesa), controlada pelo Estado.

Assim como ocorreu em Alagoas e no Rio de Janeiro, que já foram a leilão, o projeto do Amapá foi elaborado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para que a participação privada possa melhorar a oferta desses serviços. Uma das metas do processo é reduzir o índice de perda de água, que hoje passa de 70%. A concessão também vai desonerar o poder público, uma vez que parte da operação da empresa é custeada pelo Estado.

Esse é o primeiro grande leilão de saneamento da Região Norte do país.

Nessa região, a água tratada só chega a 57% da população e apenas 22% possuem coleta de esgoto, de acordo com dados Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS). No Estado do Amapá, a situação é ainda mais crítica: 34,9% têm acesso à água, e só 7,1%, à coleta de esgoto.

A iniciativa tem como objetivo melhorar a oferta de serviços à população, de 750 mil pessoas.

O novo concessionário investirá em torno de R$ 3 bilhões durante o período de 35 anos de concessão, sendo 70% destinados à melhora do esgotamento e 30%, do fornecimento de água.

Para que a população perceba melhorias no curto prazo, nos cinco primeiros anos deverão ser aplicados pelo menos R$ 984 milhões para melhorar as condições de acesso. Esse valor é quase 11 vezes maior do que o total investido nos últimos dez anos (R$ 90 milhões). Como resultado, ao fim do período de concessão, 285 mil unidades consumidoras passarão a contar com água encanada e 328 mil com a coleta de esgoto.

“Trata-se de um projeto importante em um setor que é prioritário para o BNDES. A aprovação do novo marco regulatório, o compromisso do governo do Estado e o trabalho de modelagem consistente são fatores que nos deixam bastante otimistas em relação aos resultados no Amapá“, afirma o diretor de Infraestrutura, Concessões e PPPs do BNDES, Fabio Abrahão.

De acordo com o Governador Waldez Góes:

“Este é um projeto que definitivamente vai garantir melhor qualidade de vida ao povo amapaense, melhorando anualmente os indicadores de saneamento básico, de saúde pública, meio ambiente e geração de emprego e renda.”

“Mais uma vez, o foco é mudar a vida de milhares de pessoas através de um projeto muito bem estruturado, capaz de trazer recursos para os municípios, proporcionar grandes volumes de investimentos que também vão gerar impostos e, o mais importante, acabar com essa mazela na vida das pessoas”, conclui Abrahão.  

A população do Amapá também terá maior controle sobre seu consumo de água, já que serão instalados hidrômetros em todos os municípios (atualmente apenas Macapá e Santana contam com os aparelhos). Além de a cobrança passar a ser feita com base no consumo efetivo, e não em uma estimativa, a medida pode diminuir o desperdício.

O projeto prevê que a valor da tarifa social beneficiará até 25% das residências atendidas.

Assim, famílias que consumirem até 10 metros cúbicos por mês (o equivalente a 10 caixas d´água de mil litros) terão uma diminuição da conta de água em relação ao valor atualmente pago.

Leilão por tarifa e outorga 

O leilão deve ser realizado no início de setembro na B3, em São Paulo, e levará em conta a combinação entre valores de outorga, de pelo menos R$ 50 milhões, e de tarifa para definir o vencedor. No entanto, para evitar que o valor da tarifa inviabilize investimentos, a redução será limitada  a 20% do valor proposto no edital.

A outorga mínima de R$ 50 milhões será dividida entre os municípios do Estado. Adicionalmente, a concessionária vencedora deverá aplicar o montante equivalente ao valor do ágio sobre a outorga mínima em investimentos a serem definidos pelo Estado para melhoria do fornecimento de água em zonas rurais e urbanização dos municípios, o que potencializará os investimentos nas áreas que mais precisam.

“Com investimentos orçados em R$ 3 bilhões e indiscutível potencial disruptivo, o projeto inclusivo e sustentável promoverá externalidades transversais em todo o Estado. Com benefícios estimados em mais de R$ 22 bilhões de forma direta e indireta, haverá avanços em saúde, educação, renda, valorização imobiliária, melhoria do ambiente de negócios, enfim, a transformação da realidade socioeconômica e ambiental do Amapá“, afirma o secretário estadual de Planejamento, Eduardo Tavares.

“O PPI da CAESA é o maior projeto econômico e social já implementado no Amapá, com efeitos multiplicadores abrangentes e necessários para criar as condições mínimas de desenvolvimento para as cidades amapaenses”, completa o Secretário estadual  das Cidades, Antonio Pinheiro Teles Júnior.

A publicação do edital e o leilão são o resultado de um processo que vem sendo estruturado pelo BNDES desde 2017 e que contou com a participação da PricewaterhouseCoopers (PwC), Loeser, Blanchet e Hadad Advogados e Egis Engenharia como consultores.

BNDES e Saneamento 

Até o fim de 2021, o BNDES pretende estruturar projetos para saneamento básico em pelo menos outros quatro Estados brasileiros, com investimentos previstos na ordem de R$ 25 bilhões, que beneficiarão diretamente mais de 20 milhões de brasileiros.

Em setembro do ano passado, a BRK Ambiental Participações S.A foi a vencedora do leilão organizado pelo Banco  para a  concessão regionalizada dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário da Região Metropolitana de Maceió (AL), beneficiando para 1,5 milhão de habitantes em 13 cidades. A oferta do grupo vitorioso foi de R$ 2,009 bilhões, o que representou um ágio de 13.180% em relação ao valor mínimo estipulado para outorga do serviço (R$ 15,125 milhões).   

Em abril, os consórcios Aegea e Iguá  foram os vencedores do maior leilão de saneamento do país, para três dos quatro blocos de concessão regionalizada dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de 29 municípios do Estado do Rio de Janeiro, beneficiando mais de 11 milhões de habitantes. As ofertas dos grupos vitoriosos, somadas, foram de R$ 22,69 bilhões, o que representou um ágio de 134% em relação ao valor mínimo estipulado para outorga do serviço (R$ 9,7 bilhões).

Sobre o BNDES 

Fundado em 1952 e atualmente vinculado ao Ministério da Economia, o BNDES é o principal instrumento do Governo Federal para promover investimentos de longo prazo na economia brasileira. Suas ações têm foco no impacto socioambiental e econômico no Brasil. O Banco oferece condições especiais para micro, pequenas e médias empresas, além de linhas de investimentos sociais, direcionadas para educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e transporte urbano. Em situações de crise, o Banco atua de forma anticíclica e auxilia na formulação das soluções para a retomada do crescimento da economia.

Crédito:
Imprensa | BNDES

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 5039 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!