Onze dicas simples para ser uma escola mais sustentável

Interpares - Educação Infantil
Interpares - Educação Infantil

Imagem: Divulgação | Escola curitibana mostra como a reciclagem e outras ações simples ajudam a diminuir o impacto ambiental

Um dos desafios emergentes em todo o planeta refere-se à conscientização das pessoas para a produção e consumo de carne de forma consciente e que minimize o impacto ambiental.

“Já está bem estabelecido que uma dieta variada, sem um alto consumo de carne, é uma contribuição importante para uma dieta sustentável e saudável”, enfatiza a diretora da escola.

O Projeto Segunda Sem Carne da Interpares tem a proposta de contribuir para a sustentabilidade, além de mostrar às crianças que é possível permitir que outros sabores protagonizem o cardápio e o paladar.

“Muitas vezes as pessoas acham que a sustentabilidade é uma coisa distante, difícil, que demanda estruturas especiais, muito conhecimento e tempo. Por isso acabam não se interessando em implementar medidas que são bastante simples”, avalia a diretora da escola, Dayse Campos.

Segundo ela, quando uma pessoa adota pequenas atitudes sustentáveis, vai gradativamente ampliando seu nível de consciência sobre o assunto.

“É isso que tentamos ensinar aos nossos alunos, desde a primeira infância. E, por consequência, acabamos sensibilizando também suas famílias, nossa equipe e a comunidade que nos rodeia”.

A diretora traz dicas simples, que toda escola pode seguir para ser mais sustentável. Mas alerta: antes de empreender cada iniciativa, é importante despertar a sinergia entre pais, alunos e professores, porque só envolvendo toda a cadeia é possível obter resultados realmente significativos.

Um dos grandes exemplos dessa sinergia é o Projeto Reciclando, por meio do qual a Interpares arrecada todos os resíduos recicláveis gerados pelas famílias dos alunos.

“Já arrecadamos mais de 10 toneladas por meio dessa iniciativa. Porém, acima deste número, está o processo. Famílias que aprenderam a separar, higienizar e encaminhar corretamente cada tipo de material”, exemplifica Dayse.

Ela considera que esse processo para desenvolver consciência ambiental é gradual, por isso traz uma lista de ações sugeridas que podem servir de inspiração para outras escolas:

1 – Uso e reuso de insumos domésticos

Se uma das melhores maneiras de ensinar um novo hábito é pelo exemplo, a escola pode incentivar o uso de produtos de limpeza “verdes” e criar alternativas ecológicas com o reuso de insumos domésticos comuns, como o óleo de cozinha.

Na Interpares, os alunos aprendem a fazer sabão reutilizando o óleo de cozinha usado, que é armazenado em casa pelas famílias. Isso evita o contato das crianças com produtos químicos agressivos presentes em alguns materiais. Inclusive é uma prática que pode ser ensinada em aulas de ciências, matemática, arte e educação financeira. Além de incentivar a leitura crítica dos rótulos e advertências.

2 – Arte reciclada

A pluralidade de datas comemorativas do calendário brasileiro é uma excelente oportunidade para planejar a decoração da escola utilizando materiais recicláveis. A dica é reutilizar itens domésticos para criar murais de avisos, quadros dentro da sala de aula e ambientar a escola, respeitando a linguagem dos alunos.

Dá para decorar toda a escola artesanalmente criando artes com potes, garrafas e tampinhas coloridas. Outra opção é criar organizadores criativos e separar objetos que podem contribuir nas vivências escolares.

“Tudo que chega na escola pelo Projeto Reciclando passa por uma triagem. Separamos o que será utilizado aqui e depois encaminhamos o restante para cooperativas de catadores”, conta a diretora da Interpares.

3 – Compostagem

Toda escola tem uma cantina ou um refeitório. E nada mais simples do que recolher os resíduos orgânicos e encaminhá-los para compostagem.

“Se a escola não tiver espaço ou condição de realizar a compostagem internamente, pode contar com parceiros”, diz Dayse.

No caso da Interpares, os resíduos são destinados ao projeto Composta Mais, que retira o material na escola e, em troca, fornece adubo para a horta e jardim.

4 – Captação da água da chuva

Estabelecer um sistema de coleta para captação da água da chuva para lavar calçadas, abastecer vasos sanitários.

“Isso também é bastante simples. Pode ser feito com a implantação de cisternas, gerando economia no consumo de água potável”, lembra a diretora.

5 – Redução do papel

A expansão do digital trouxe uma variedade de ferramentas para otimizar a rotina de uma escola, sua comunicação e processos. Existem opções de agendas, blocos de notas e aplicativos para uso em dispositivos eletrônicos, como laptops, tablets e smartphones.

“Com a intensidade de afazeres diários das famílias, gerar listas de tarefas digitais e em movimento, torna o digital essencial. Por aqui, trocamos a agenda e os informativos em papel por aplicativos e grupos online”, enfatiza.

6 – Sem lista de materiais

Uma escola sustentável também reaproveita os itens escolares, estimula a prática de conservação, doações e trocas. Cadernos, estojos, lápis, mochilas, livros, entre outros materiais podem ser sempre reaproveitados.

“Não trabalhamos com lista de materiais novos. Sempre priorizamos o que já existe na escola e o que os alunos já possuem, além dos materiais reaproveitáveis do Reciclando. Não apenas por motivos ambientais, mas também financeiros, e isso representa economia na gestão da escola e no orçamento familiar”, conta Dayse.

7 – Doação e troca de uniformes

Outro item bastante polêmico quando o tema é meio ambiente é a renovação do guarda-roupa. Comprar novas peças com frequência não é bem visto por quem se preocupa com o planeta. Doar ou comprar itens usados, sim, são consideradas escolhas bem mais sustentáveis.

“Aqui na Interpares nós temos uniforme, mas ele só é obrigatório em dias de passeio, por uma questão de segurança. Dessa forma, as famílias não precisam comprar uma grande quantidade de peças da escola”, relata a diretora.

Além disso, a doação é estimulada. Já na entrada da escola vê-se caixas para doações de uniformes. Enquanto entram e saem da instituição, pais e mães depositam ali peças que seus filhos não usam mais ou garimpam aquelas que estão precisando, sem nenhuma burocracia.

“É deixar ou levar, como quiser”, diz Dayse.

8 – Comunidades sustentáveis

A economia circular em plataformas de anúncios e classificados online, como um movimento para a compra, venda e troca de produtos de segunda mão, também é uma dica da diretora.

“Nós criamos um grupo, chamado informalmente de OLX da Interpares, onde famílias, funcionários e outros participantes oferecem seus serviços, bens usados e compartilham dicas. Assim, estimulamos os negócios locais, o reaproveitamento de produtos e a compra de segunda mão”.

9 – Comércio local

Falando em comércio local, outra premissa da escola é realizar a compra de produtos e serviços da sua necessidade junto a comerciantes locais.

“Embora as grandes redes ofereçam muitos atrativos, optamos por priorizar as compras de refeitórios, por exemplo, em mercadinhos e hortifrúti que ficam a poucas quadras da escola”, relata Dayse.

10 – Consumo consciente de carne

Um dos desafios emergentes em todo o planeta refere-se à conscientização das pessoas para a produção e consumo de carne consciente e que minimize o impacto ambiental.

“Já está bem estabelecido que uma dieta baseada em vegetais e sem carne ou com carne reduzida é uma contribuição importante para uma dieta sustentável e saudável”, enfatiza a diretora da escola.

O Projeto Segunda Sem Carne da Interpares tem a proposta de contribuir para a sustentabilidade, além de mostrar às crianças que é possível introduzir outros sabores ao paladar e acrescentar novas receitas ao cardápio.

11 – Economia energética na sala de aula

Em tempos de pandemia de Covid-19, abrir cortinas e janelas para a circulação de ar tornou-se um dos protocolos de biossegurança. Mas a prática também serve também para a sustentabilidade e economia financeira, já que o uso de luz natural ajuda na redução do consumo de energia.

“Por aqui, priorizamos atividades ao ar livre. Nada mais econômico, sustentável e, claro, divertido para os alunos”, finaliza.

Sobre a Interpares

Começaram sua jornada pela educação infantil no dia 12 de outubro de 1998. Já são, portanto, mais de 20 anos ajudando a promover o desenvolvimento e a autonomia de crianças a partir dos 0 anos, em parceria estreita com suas famílias.

Acima de tudo, promovem a infância. Crianças que brincam ativamente tornam-se capazes de ir, vir, subir, descer, explorar, disputar, gritar, calar, rir, chorar, se sujar, se organizar, se relacionar e, assim, alcançar os mais importantes significados da aprendizagem.

Site oficial: https://escolainterpares.com.br/a-interpares/

Crédito:
Imprensa

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
Sobre Ambiental Mercantil Notícias 2910 Artigos
AMBIENTAL MERCANTIL NOTÍCIAS é um canal exclusivo sobre o Meio ambiente e Tecnologias ambientais, ESG e Sustentabilidade, Energias Renováveis (Solar Eólica, Biogás e muito mais), Cursos e Eventos!