Menos de 1% dos 27 trilhões de dólares dos fundos ativos globais estão alinhados com o Acordo de Paris

softelec
Os dados do CDP, organização sem fins lucrativos, gera um sistema de divulgação ambiental global.
Os dados do CDP, organização sem fins lucrativos, gera um sistema de divulgação ambiental global.

Imagem: Divulgação @CDP | A análise de um terço do total da indústria global de fundos revela que apenas 158 fundos no valor de 0,5% do total dos ativos têm um percurso de temperatura em linha com o acordo de Paris

Publicidade
Publicidade
AMBIENTAL MERCANTIL

A análise de mais de 16.500 fundos de investimento no valor de 27 trilhões de dólares revelou que menos de 0,5% dos ativos estão atualmente alinhados com a meta de temperatura do acordo de Paris de “bem abaixo de 2°C”.

Os dados do CDP, organização sem fins lucrativos, que gere o sistema de divulgação ambiental global, mostram que a grande maioria dos fundos globais avaliados – com um valor superior a 27 trilhões de dólares – são atualmente investidos em ativos com uma temperatura esperada de mais de 2,75°C de aquecimento global

No total, apenas 158 fundos individuais foram avaliados a “bem abaixo de 2°C”, enquanto mais de 8.000 (62% dos ativos) foram avaliados a uma temperatura acima de 2,75°C. 

A análise dos fundos de investimentos mostra que principais fundos globais, estão em um caminho perigoso de temperatura de mais de 2,75°C, o que representa uma insuficiência na ambição corporativa das empresas que compõem esses fundos, isto é, muitas empresas ainda não definiram as metas, e mesmo para as empresas que já estabeleceram as metas, as metas definidas não são suficientes para não exceder 1.5°C. Dessa forma, muitas divulgações de metas podem parecer ambiciosas, mas não estão alinhadas com as metas estabelecidas pelo Acordo de Paris”, destaca Rebeca Lima, Diretora Executiva do CDP América Latina.

A análise surge quando a atenção do mundo olha para os líderes globais tanto no G20 na Itália, como na COP26, em Glasgow, para aumentar a ambição e o ritmo da ação climática. O IPCC emitiu no início deste ano um “código vermelho” para a humanidade, caso as emissões não sejam reduzidas urgentemente.

A COP26 será crucial para incentivar, cada vez mais, que as discussões sobre metas de redução sejam integradas na economia real, assim será possível fazer essa transição através de empresas que estabeleçam metas mais ambiciosas, e por parte dos investidores, será cada vez mais cobrado que as empresas de índices e fundos estejam alinhadas com as metas estabelecidas no Acordo de Paris.”, acrescenta Lima.

No levantamento, 102 fundos foram classificados a 1,5°C, o objetivo mais ambicioso do acordo de Paris. Os cientistas climáticos e o IPCC são claros quanto ao fato de que este deve ser o limite de aquecimento global para que os impactos mais catastróficos das alterações climáticas possam ser mitigados.

A pesquisa é baseada nas classificações de temperatura do CDP, que dão um caminho de temperatura baseado na ciência para milhares de empresas globais. As classificações são amparadas em metas de redução de emissões e no desempenho passado das empresas na redução de emissões.  

Os 16.500 fundos em análise têm ativos totais de $27 trilhões – mais de um terço do total da indústria global de fundos.

Ao considerar as emissões de escopo 3 – atrelada a cadeia de fornecimento das empresas e emissões financiadas – a porcentagem de fundos alinhada ao acordo de Paris cai de 0,5% para apenas 0,2%, ou apenas 65 fundos individuais.  

A diferença nas temperaturas do Escopo 3 reflete o ritmo atual dos relatórios corporativos de toda a sua cadeia de valor de emissões. Apenas 15% das empresas que divulgam ao CDP, divulgam atualmente qualquer meta para estas emissões, e as metas frequentemente excluem a fonte mais relevante – tal como o uso de produtos vendidos.

A pesquisa segue a tendência de forte crescimento contínuo dos fundos dos ESG, em particular dos fundos com temática climática, com mais de metade de todos os fluxos de fundos europeus no primeiro trimestre marcados como sustentáveis, e um forte aumento do número de fundos alinhados com Paris a serem lançados.

A análise surge quando a atenção do mundo olha para os líderes globais tanto no G20 na Itália, como na COP26, em Glasgow, para aumentar a ambição e o ritmo da ação climática. O IPCC emitiu no início deste ano um “código vermelho” para a humanidade, caso as emissões não sejam reduzidas urgentemente.

“Líderes globais desembarcam esta semana em Roma para o G20 e em Glasgow para a COP26, onde garantir 1,5°C é possível e o financiamento global do clima mobilizado são dois objetivos chave. Mas estes dados são catastróficos. Apesar dos compromissos líquidos crescentes do setor financeiro, e de um aparente “boom” do ESG, a verdade é que nem mesmo 1% dos ativos do fundo estão atualmente alinhados a Paris. Isto é como uma radiografia do setor, expondo quase todos os ativos do planeta a um desajuste com os objetivos climáticos. É uma verificação urgente da realidade para que a comunidade financeira tome medidas reais e credíveis para aumentar o envolvimento com as suas carteiras e tomar medidas decisivas para a transição das suas carteiras para um caminho de 1,5°C.  

O mercado de fundos reflete a economia real. Apesar de crescer rapidamente, as metas de emissões baseadas na ciência ainda cobrem apenas uma pequena fração do mercado de investimento. Vastos volumes de capital global precisam agora de ser deslocados para 1,5° C -alinhados, mas não podem porque a ambição do sector empresarial é demasiado baixa. Temos de ver que a COP26 conduz a uma adopção muito mais rápida das metas para 2030, em linha com os 1,5°C, e muitos mais produtos financeiros que estão de facto alinhados com Paris. Colaboração e engajamento são fundamentais: investidores e financiadores devem engajar todas as empresas em suas carteiras para estabelecer metas baseadas em ciência agora”, reforça Laurent Babikian, Diretor Global de Mercado de Capitais do CDP

No mês passado mais de 220 instituições financeiras com 29 trilhões de dólares em ativos chamaram publicamente mais de 1600 empresas de alto impacto em todo o mundo para estabelecer metas de emissões de 1,5°C.

O grupo de instituições financeiras que participou da campanha Science-Based Targets do CDP incluiu algumas das maiores do mundo, como:

Após a campanha do ano passado, 8,1% das empresas de alto impacto visadas aderiram à iniciativa Science Based Targets, destacando o poder do engajamento dos investidores para impulsionar a ambição corporativa e aumentar o universo de empresas alinhadas com Paris.

Sobre o CDP

O CDP é um sistema global sem fins lucrativos que gere o sistema mundial de divulgação ambiental para empresas, cidades, estados e regiões. 

Site oficial: https://www.cdp.net/pt/climate

Crédito:
Imprensa | CDP

ANUNCIE COM A AMBIENTAL MERCANTIL
AMBIENTAL MERCANTIL | ANUNCIE NO CANAL MAIS AMBIENTAL DO BRASIL
About Ambiental Mercantil Notícias 5371 Articles
AMBIENTAL MERCANTIL é sobre ESG, Sustentabilidade, Economia Circular, Resíduos, Reciclagem, Saneamento, Energias e muito mais!